“Saída pela direita!” (Leão da Montanha).

Uma reflexão sobre o modus vivendi e o modus operandi das pessoas como parte da sociedade é sempre bem-vinda, na medida em que esclarece melhor o entendimento do ser humano e suas incoerências intrínsecas num tempo de movimento.

O repórter Augusto Nunes, da Jovem Pan (Ver Programa Os Pingos nos Is na Internet), tem manifestado a vontade de abordar o assunto. Não possuo a pretensão de substituir o famigerado jornalista. Num exercício intelectual é que me arrisco a antecipar algumas ideias sobre o tema. E quando ficamos num beco sem saída?

Este articulista não tem a pretensão de ser o dono da verdade e nem tampouco o defensor da moral e dos bons costumes, no entanto pode apontar caminhos para que você possa fazer a diferença onde quer que esteja por meio de suas atitudes (Leia Você Faz a Diferença, de John C. Maxwell, Editora Thomas Nelson Brasil, 2006).

Numa época do politicamente correto qualquer passo em falso pode se transformar numa grande celeuma. Brincadeiras e piadas sempre permearam a sociedade brasileira, porém, de algum tempo para cá, esta mesma sociedade tem condenado antes o que era praxe.

Pequenos trechos de um contexto podem se transformar num pretexto para se condenar as pessoas, deixando-as na saia justa, na corda bamba e em dificuldades de se explicar.

As mentes estão ficando armadas, aguçadas cada vez mais, preparadas a contra-atacar ou emitir juízos de valor, muitas vezes sem o devido tempo para reflexão.

Na trajetória do homem muito se investiu na procura da descoberta do futuro e de como ter sucesso. Nas pesquisas feitas, descobri uma obra intitulada As 10 Leis do Crescimento Pessoal, de Dan Sullivan e Catherine Nomura, Editora Best Seller, 2006.

Muitas autoridades brasileiras acabam entrando no “perigoso terreno da galhofa” (Stanislaw Ponte Preta), quando discursam, dão entrevistas, palestram, demonstrando tremenda falta de noção das coisas mais elementares.

Alguns têm uma nova oportunidade de tentar um novo começo e realmente ajudar outras pessoas em alguma área. Isto é maravilhoso.

Quando o filme da vida passa no leito do hospital, às vezes de morte, muitos pensam naquilo que deixaram de fazer para tornar o mundo um pouco melhor, quando podiam realmente fazer a diferença.

Isaac Carreiro Filho
Militar da Reserva Remunerada do Exército Brasileiro, especialista em Comunicações, Mestre em Ciências Militares, bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria, extensão em Política e Estratégia pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, Curso Livre em Teologia pelo Instituto Teológico Quadrangular-Água Verde, membro do Centro de Estudos Brasileiros do Paraná, patriota da Liga da Defesa Nacional-Paraná, professor, colunista e palestrante.