Os profissionais do programa Melhor em Casa de Curitiba desenvolvem um trabalho nutricional específico com os pacientes em fase terminal, mas que estão recebendo tratamento no conforto do lar. A equipe multiprofissional que realiza o atendimento domiciliar, juntamente com os familiares e o paciente – quando este tem condições – discute os prós e contras das formas de alimentação e hidratação (via oral, terapia nutricional enteral e/ou parenteral) e define qual a melhor maneira de cuidado que evite a piora das condições clínicas, ofertando conforto no período da sobrevida.

Este trabalho, que vai desde o envolvimento de toda a equipe (médica, nutricional, fonoaudióloga, fisioterapia, farmacêutica e de enfermagem) na discussão de cada caso até o empoderamento da família na tomada de decisão, foi reconhecido pelo Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) como uma das dez práticas bem sucedidas no SUS. O trabalho será publicado na primeira edição do Mapeamento de Experiências de Excelência no Cuidado à Pessoa Idosa no Contexto Domiciliar, e servirá de exemplo para ser replicado em todo país.

“Além do reconhecimento mostrar que estamos no caminho certo, permite a divulgação do trabalho que estamos realizando para que outros serviços possam se espelhar e também utilizar esta prática”, ressalta o gerente do programa Melhor em Casa, Fábio Rasmussen.

De acordo com a nutricionista do programa, Luana Berri, é comum que as pessoas que necessitam dos cuidados paliativos apresentem dificuldade na alimentação. “Essa medida confere autonomia nas escolhas dos alimentos, formas, consistências, horários das refeições e na via de alimentação, proporcionando qualidade de vida e dignidade para o paciente”, explica.

O trabalho também envolve o aprofundamento do caso clínico de cada paciente; avaliação da estrutura e do ambiente domiciliar, levando em consideração a expectativa dos familiares frente ao tratamento do paciente; promoção do entendimento da família quanto à perspectiva de sobrevida do familiar, promoção do conhecimento e manejo das expectativas da família sobre os cuidados paliativos; oferta de opções de terapia nutricional e os benefícios e malefícios de cada uma delas e o apoio para a morte no domicílio.

Melhor em Casa

O programa Melhor em Casa é gerenciado pela Fundação Estatal de Atenção Especializada em Saúde de Curitiba (Feaes) e atende pessoas com necessidade de reabilitação, dificuldade ou impossibilidade física de locomoção e que necessitem de maior frequência de cuidado, recursos de saúde e acompanhamento contínuo, além de pacientes crônicos sem agravamento ou em pós-cirurgia, com garantia de continuidade de cuidados e de forma integrada aos serviços de saúde.