Ações de desenvolvimento sustentável que buscam atender às necessidades das gerações, harmonizando o crescimento econômico, a inclusão social e a proteção do meio ambiente em ações integradas são características de projetos da Secretaria Municipal da Educação de Curitiba, que receberam o Prêmio Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), na noite desta quarta-feira (23), no Auditório da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP).

O Prêmio Sesi ODS reconhece e divulga práticas para o alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – ODS, realizados por indústrias, empresas, instituições públicas e do terceiro setor do Paraná. A Secretaria Municipal da Educação recebeu o prêmio pelas ações desenvolvidas com os projetos Cereja, da Educação de Jovens e Adultos; Equidade, projeto que fez Curitiba reduzir diferenças de desempenho entre escolas e avançar na melhoria da educação; e Robótica Educacional, da Escola Municipal Cel. Durival de Brito e Silva, no Cajuru.

“O Prêmio ODS é mais uma forma de reconhecimento do trabalho realizado por todos os envolvidos com a educação municipal. Buscamos desenvolver ações equânimes para reduzir as diferenças e promover a igualdade na educação, proporcionando a formação continuada em serviço e o desenvolvimento pleno das crianças e estudantes da Rede Municipal de Ensino de Curitiba”, destacou a secretária Municipal da Educação, Roberlayne Borges Roballo.

Durante a programação do evento, na Federação das Indústrias do Estado do Paraná (FIEP), todos os finalistas relataram suas experiências práticas e os participantes puderam conhecer os encaminhamentos realizados com projetos de todo o Estado.

Com ações que consistem em reunir medidas que garantem apoio específico a 48 escolas em situação de vulnerabilidade, a Secretaria Municipal da Educação apresentou o Projeto Equidade, que inclui aulas de reforço em contraturno, formação dirigida para os professores das escolas envolvidas, atividades culturais e reforço nos laços da escola com as famílias.

Os resultados das ações puderam ser mensurados na edição mais recente do Ideb, que se refere a 2015 e divulgada em setembro último. Curitiba, que em 2013 aparecia no ranking com índice 5,9, agora alcançou 6,3 – o maior índice entre as capitais nos anos iniciais do ensino fundamental (1 º ao 5 º ano) e o maior já atingido pela cidade. Com isso, a capital superou a meta estabelecida para a cidade pelo Ministério da Educação, que era de 6.0.

Outro projeto que também foi reconhecido pela prática de formação humana foi o Cereja, desenvolvido pela Coordenadoria de Políticas Educacionais para Jovens e Adultos (Copeja) para ampliar a estrutura da rede na escolarização de pessoas acima de 15 anos que não concluíram os estudos ou não puderam estudar.

“Por meio do Projeto Cereja, cinco escolas municipais localizadas nas regiões com maior índice de analfabetismo foram transformadas em espaços qualificados de ensino e aprendizagem para a população desta faixa etária”, explica a coordenadora da Copeja, Maria do Socorro de Moraes.

Entre os diferenciais do projeto está a possibilidade de oferecer diversas formas de alfabetizar, com propostas voltadas às especificidades de cada grupo de estudantes. O projeto foi elaborado após um amplo estudo e mapeamento da população analfabeta da cidade. Conhecendo o perfil de quem estava afastado dos bancos escolares, foi possível elaborar estratégias como as salas de acolhimento para os filhos dos estudantes. Enquanto os pais estudam, elas ficam em salas próximas, cuidadas por profissionais da educação e envolvidas em atividades de lazer.

Na categoria tecnologia e inovação, a equipe de robótica, da escola Municipal Cel. Durival de Brito e Silva, no Cajuru, surpreenderam os participantes com a apresentação de um Drone Semeador. Desenvolvido por eles, com o objetivo de lançar sementes e auxiliar no reflorestamento de áreas devastadas o robô é mais um trabalho de sucesso da equipe Conectados, que já recebeu diversos prêmios em campeonatos regionais, nacionais e internacionais pelas ações de pesquisa e programação em robótica.

“Por meio do projeto de robótica desenvolvido em unidades educacionais da rede o estudante participa de atividades lúdicas, desafiadoras, pesquisando, buscando hipóteses e formalizando conhecimentos intuitivos como forma de instrumento de aprendizagem e lazer”, disse Eliane Butenas da Coordenadoria de Educação Integrada, da Secretaria Municipal da Educação.

Também representaram a Educação de Curitiba os projetos Ler e Pensar, da Gazeta do Povo, e o Peça por Peça, do Instituto Robert Bosch, na categoria parceria. Ambos os projetos desenvolvem ações nas unidades da rede com o propósito de garantir e assegurar a formação plena de crianças e estudantes.

Prêmio Objetivos do Milênio

Programas como Comunidade Escola, Conhecer para Prevenir, projeto EduCultura e a Semana de Estudos Pedagógicos (SEP) são iniciativas da Rede Municipal de Ensino de Curitiba também premiadas com o Selo ODM. O selo é uma iniciativa do movimento Nós Podemos Paraná para reconhecer práticas que contribuem com o desenvolvimento local.