Executivos brasileiros estão entre os mais confiantes do mundo

Os executivos brasileiros estão entre os mais otimistas do mundo. Segundo pesquisa da PricewaterhouseCoopers (PwC), uma consultoria estrangeira, esses empresários projetam um cenário mais positivo para o futuro da própria companhia e para o crescimento da economia global.

Esses dados constam em um levantamento que foi divulgado durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos (Suíça). Para essa edição, que é a 20ª do documento, a consultoria entrevistou cerca de 1,4 mil diretores executivos (CEO) ao redor do mundo.

A pesquisa pergunta a esses empresários o que eles esperam para o crescimento da própria empresa para os próximos 12 meses. No Brasil, 57% se declararam muito confiantes. Já a média global ficou um pouco menor, 38% acreditam em futuro mais próspero.

Sobre a economia, 43% dos brasileiros apostam em uma melhora da atividade econômica do globo nos próximos 12 meses. Na média da pesquisa, essa perspectiva foi de 29%. O documento também aponta quais os três principais mercados de interesse das empresas brasileiras.

Nesta edição, a lista começa com Estados Unidos e segue com China e Argentina. Os vizinhos da América do Sul se tornaram um importante comprador dos carros brasileiros e ajudou a garantir bons resultados para o setor em 2016.

Crescimento sustentável

Em entrevista à Folha de S. Paulo e ao Valor Econômico, o presidente do Bradesco, Luiz Carlos Trabuco, fez uma avaliação positiva sobre a atividade econômica no Brasil. O executivo, que está em Davos para o Fórum Econômico Mundial, ponderou que o crescimento no País será mais sustentável.

Entre outras coisas, ele afirmou que o ritmo de expansão brasileiro “não será voo de galinha”, uma expressão usada por economistas para se referir a países que tem movimentos de crescimento econômico seguidos por outros de queda, semelhante a um voo de galinha, que não consegue se manter em grandes alturas.

“O Brasil está em um momento de virada”, afirmou Trabuco. “O novo governo propôs uma agenda importante, pesada, mas fundamental para retomar o crescimento e a geração de emprego”, argumentou o executivo.

Decisões empresariais para aumentar os lucros

Os executivos ouvidos pela PWC listaram, ainda, o que eles pretendem fazer ou esperam que ocorra para expandir a empresa ou aumentar o lucro. Para 90% dos entrevistados brasileiros, a expectativa era de obter crescimento orgânico.

Esses mesmos empresários também esperavam obter melhores resultados com redução de custos (86% deles deram essa resposta), novas estratégia e parcerias (62%), fusões e aquisições (45%), colaborar com empresas ou start-ups (43%), terceirização (19%) e vender os negócios ou sair do mercado (19%).