Microempresas empregam 50% dos trabalhadores, aponta PNAD

O percentual de pessoas que trabalhavam em grandes empresas caiu no ano passado. É o que indica a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua, a PNAD Contínua, divulgada nesta quarta-feira (18) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, IBGE.

De acordo com a publicação, dos mais de 73 milhões de empregadores, trabalhadores por conta própria e empregados, 26% estavam em empresas de grande porte em 2016. São consideradas empresas de grande porte as que contam com um quadro de funcionário com mais de 50 pessoas. O número é menor que em 2015, quando o índice ficou em 29%.

A participação nas empresas de pequeno porte subiu. De acordo a PNAD, eram 48% em 2015 e a foi para 50% em 2016.
O levantamento mostra o início de uma tendência que se manteve até esse ano. De acordo com o Ministério do Trabalho, de janeiro a agosto de 2017, as micro e pequenas empresas foram responsáveis por criar 327 mil postos de empregos.

O crescimento do setor vem de alguns anos. Segundo o último levantamento da Demografia das Empresas, feito pelo IBGE, as micro e pequenas empresas foram as únicas que apresentaram um crescimento em 2015. Marques, professor da UnB e ex-economista do Banco Central, explica que a recessão forçou e incentivou uma mudança nas atividades econômicas desses trabalhadores.

“Muitos trabalhadores preferiram a informalização ou até mesmo se tornaram microempreendedores individuais. Então por isso a estatística não mostra um número que se equivale à queda das empresas nesse período.”

A PNAD ainda aponta que houve um aumento no número de empregadores e trabalhadores em empreendimentos registrados no CNPJ, atingindo a marca de quase 29%. 
Outro comportamento observado pela pesquisa foi a diminuição de pessoas sindicalizadas e de trabalhadores e empresas ligadas a associações em 2016.

O primeiro jornal de Curitiba com conteúdo em Realidade Aumentada.