Oficinas orientam pais sobre a alimentação dos bebês

Um dos maiores desafios para os pais é garantir uma alimentação saudável aos filhos nos primeiros anos de vida para que as crianças mantenham esse hábito depois. Para auxiliar os adultos nessa tarefa, unidades de saúde de Curitiba oferecem oficinas de nutrição com dicas e orientações para serem seguidas durante a primeira infância.

Neste mês, usuários da US Menonitas, no Xaxim, tiveram um encontro com a nutricionista Ana Paula Balemberg Bonin, do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (Nasf), que falou sobre amamentação e como deve ser a alimentação das crianças até os 2 anos de idade. “Até os 6 meses, o aleitamento materno deve ser exclusivo. A partir de então, ocorre a introdução total dos alimentos, lembrando que não se deve ofertar alimentos ultraprocessados, como biscoitos, macarrão instantâneo e refrigerantes”, diz.

Ao longo da oficina, Ana Paula mostrou algumas posições para mãe e bebê que facilitam a amamentação. A nutricionista também apresentou pratos com modelos de refeições que podem ser seguidos nos lanches, almoço e jantar. Veja algumas orientações abaixo.

As informações costumam ser válidas para todos os pais, não apenas aos marinheiros de primeira viagem. Entre os participantes da oficina na US Menonitas estava a auxiliar administrativa Franciele Gonçalves, 27 anos, que foi acompanhada dos filhos Milena, 5 anos, e Caique, 3 meses. “No começo, ter essas informações é muito importante. Ajuda a entender as necessidades do bebê e saber o que oferecer”, afirma. “As dicas foram ótimas. Já tinha esquecido de tudo e estava me batendo o que ia dar para ele”, diz a dona de casa Caroline Ferreira, que tem três filhos com 15 anos, 11 anos e o caçula Matheus com 6 meses.

Programação

As oficinas nas unidades de saúde costumam ser planejadas e agendadas conforme a demanda da comunidade, com solicitação direta às chefias das USs. Na US Menonitas, como continuidade à inauguração do Cantinho da Amamentação, estão programadas palestras com diferentes abordagens sobre a maternidade para a primeira sexta-feira de cada mês. Entre os temas a serem abordados estão cuidados com o recém-nascido, alimentação e odontologia.

“O cuidado com a alimentação das crianças faz parte de um amplo trabalho que temos desenvolvido na Secretaria Municipal da Saúde e na Prefeitura. A alimentação tem impacto direto na saúde das pessoas e alimentar-se corretamente na infância é importante para a saúde no resto da vida. Nessa linha, a Prefeitura tem investido em diferentes frentes, como nos programas Nossa Feira, Saúde na Escola e Armazém da Família, para garantir que toda a população tenha acesso a uma alimentação saudável”, afirma o secretário municipal da Saúde, César Monte Serrat Titton.

Em 2013, os nutricionistas da rede de saúde de Curitiba foram capacitados para serem tutores da estratégia Amamenta e Alimenta Brasil, do Ministério da Saúde, reforçando e incentivando a promoção do aleitamento materno e da alimentação complementar saudável para crianças menores de 2 anos de idade. “Desde então, esses profissionais têm disseminado essas diretrizes para as equipes das unidades de saúde em que trabalham. Até dezembro de 2015, 2.999 servidores das unidades já tinham sido capacitados e mais 684 devem ser preparados ao longo deste ano”, explica a coordenadora de Atenção da SMS, Ângela Lucas de Oliveira.

 

Orientações

Confira algumas orientações dadas pela nutricionista Ana Paula Balemberg Bonin durante oficina na US Menonitas:

– O leite materno é gratuito, rico em anticorpos e previne alergias. O aleitamento deve ser exclusivo até os 6 meses e pode seguir até os 2 anos de vida ou mais.

– O leite materno pode ser refrigerado por 12 horas e congelado por 15 dias. Para ser consumido, deve ser aquecido em banho maria.

– Ao introduzir outros alimentos na dieta da criança, não se deve oferecer leite à criança entre uma hora antes e uma hora depois da refeição.

– Quantidade de alimentos nas refeições (almoço e jantar): duas a três colheres de sopa aos 6 meses; seis colheres do 7º ao 8º mês; sete colheres dos 9 aos 11 meses; 10 a 11 colheres a partir de 1 ano.

– Até os 8 meses, os alimentos oferecidos devem ser bem amassados. Dos 9 aos 11 meses, não é preciso amassar tanto, mas os alimentos devem ser dados em pedaços pequenos, bem picados e amolecidos. A partir de um ano, os alimentos devem estar separados e visíveis no prato.

– A partir dos 8 meses, a criança deve estar habituada a fazer as refeições com a família.

– O almoço e o jantar devem ter uma fonte de proteína, um carboidrato e duas verduras/legumes. Nos lanches, podem ser ofertadas frutas variadas da estação.

– Açúcar não deve ser inserido na alimentação dos pequenos até os 2 anos de idade.

– Não é indicado congelar alimentos. Após o preparo, eles podem ser oferecidos nas próximas 24 horas.