Poda de árvore bloqueia Rua Amintas de Barros nesta quinta-feira

A poda do guapuruvu de grande porte localizado no recuo do Teatro Guaíra irá provocar bloqueios nesta quinta-feira (4) nas pistas da Rua Amintas de Barros, na região central de Curitiba. O trânsito deverá ficar muito lento durante a realização dos trabalhos, com bloqueios parciais e totais a partir das 9 horas, e a recomendação é para que os motoristas evitem a região. Para os veículos que seguem pela Travessa Alfredo Bufren e pela Rua 13 de Maio, o desvio de trânsito poderá ser feito pelas ruas Presidente Farias, Heitor Stockler de França, Luiz Leão (sentido Círculo Militar) e Tibagi.

Vistoria feita no local identificou que a porção da copa da árvore que se projeta para a rua é bastante superior à da porção voltada para o lado do Teatro Guaíra. Isso justifica a poda para aliviar a tensão dos galhos projetados sobre a via, de forma a proteger pedestres e veículos.

“A árvore apresenta o tronco levemente inclinado, como consequência do seu desenvolvimento. O sistema de raízes aparentemente é robusto e não apresenta indícios de instabilidade”, explica Erica Mielke, diretora do Departamento de Produção Vegetal da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA).

Os técnicos da SMMA observaram durante a vistoria que num ponto localizado a aproximadamente 10 metros de altura, acumulou-se material orgânico. Neste local, brotaram uma muda de palmeira e uma muda de magnólia, que fixaram suas raízes nas fissuras da casca do guapuruvu, causando infiltração em seu cerne. No domingo (31) ocorreu a queda de um dos três ramos principais da copada. No momento da queda do galho não havia chuva forte ou vento.

Guapuruvu

O guapuruvu localizado ao lado do Teatro Guaíra é a árvore n° 18 do Decreto 1.181/2009, que define as árvores imunes a corte no município de Curitiba. Atualmente Curitiba tem 51 árvores imunes localizadas em áreas públicas e privadas. Conforme determina o decreto, qualquer intervenção relacionada a árvores imunes plantadas em imóvel particular só poderá ser executada, se autorizada, por empresa ou profissional habilitado, com acompanhamento de técnico habilitado da SMMA.

“A inclusão destas árvores na categoria de imunes a corte garante um esforço maior de preservação. A seleção das novas árvores foi feita por uma comissão técnica formada por biólogos, agrônomos e engenheiros florestais da SMMA. As árvores foram avaliadas conforme as características ambientais relevantes, como porte, frutificação para formação de banco de sementes e reprodução de outras plantas, espécie rara e difícil de ser encontradas na cidade. A relação cultural das árvores com a região também pesou na avaliação”, explica Alfredo Trindade, engenheiro florestal e atual superintende de obras e serviço da SMMA. Segundo ele, também há na cidade as árvores tombadas por serem consideradas patrimônio cultural. Nesse caso, o processo é irreversível, ou seja, elas não podem ser cortadas em hipótese alguma.

O guapuruvu (Schizolobium parahyba) é uma planta da família das fabáceas, conhecida por ser uma árvore de grande porte, podendo chegar a 30 metros de altura. É nativa do continente americano. No Brasil ocorre da Bahia até Santa Catarina. Floresce nos meses de outubro a dezembro.