Quase pronto, Restaurante Popular do Capanema começa a receber móveis

Do lado de fora, operários esboçam um sorriso para o céu, na certeza que não há chance de nuvens escuras, enquanto colocam os pisos intertravados vermelhos na calçada que circunda todo o espaço. Dentro, outra parte da equipe confere se toda a pintura branca foi finalizada e se a iluminação em filetes de LED, que parece “flutuar” sobre o salão, apresenta alguma falha. Faltam ainda alguns acabamentos, além de ajustes de portas e instalação de peças nos banheiros e nas áreas de apoio.

A cena anterior, na última quinta-feira (04/01), descreve os trabalhos finais do consórcio ETM, responsável pelo renascimento do Restaurante Popular do Capanema, que será inaugurado na segunda quinzena de janeiro. Com o fim das obras, nesta semana, que incluíram recuperação da estrutura original (contrapiso, colunas e lajes), a construção das novas paredes internas, a instalação das imensas janelas externas e toda a parte elétrica e hidráulica, o espaço está pronto para começar a receber na próxima semana o mobiliário que irá permitir ao local atender, inicialmente, 500 refeições por dia.

Histórico

Inaugurado em novembro de 1993, na primeira gestão de Rafael Greca como prefeito, o Restaurante Popular do Capanema conquistou o Brasil pela proposta pioneira de oferecer refeições de qualidade, na época a R$ 1.

O imóvel foi fechado no começo de 2000 e, até o fim da gestão passada, era usado por pessoas em situação de risco social e usuários de drogas. “A região do Capanema vai voltar a ter o seu restaurante popular. O lugar onde se armava uma triste cracolândia, com um acampamento de abandonados, foi removido e agora vai ressurgir o sonho de Margarita e meu, o novo Restaurante Popular do Capanema”, disse Greca, em setembro do ano passado, quando autorizou o início das obras no local.

Novo espaço

O novo restaurante popular, que integrará a rede administrada pela Secretaria Municipal de Agricultura e Abastecimento (Smab), terá bilheteria, praça de alimentação, espaço de recebimento e manipulação das refeições, área de higienização de utensílios, banheiros, vestiários e salas de apoio.

“Com a finalização das obras do consórcio, a Smab poderá iniciar a colocação, a partir do dia 8 de janeiro, dos equipamentos para servir refeições (que não serão preparadas no local), bem como das mesas e cadeiras da praça de alimentação”, explica o secretário municipal de Agricultura e Abastecimento, Luiz Gusi.

Leandro Carlos Ribas, diretor da empresa ETM , conta que a reconstrução do espaço exigiu alguns cuidados, pois foi realizada sob um viaduto, que sofre dilatação natural, devido as variações de temperatura e ao tráfego. “Por isso, foi preciso todo um cuidado na hora da construção da nova alvenaria e da instalação das esquadrias das janelas”, acrescenta o executivo.

A obra recebeu R$ 1,3 milhão de investimento e é uma medida compensatória socioambiental pela implantação do estacionamento subterrâneo, sob a Avenida Presidente Affonso Camargo, pelo consórcio ETM, formado pelas empresas Estapar, Tucumann e J. Mallucelli.

Além disso, o Governo do Estado repassou para a prefeitura R$ 345 mil, que estão sendo usados para a compra dos equipamentos para servir e do mobiliário da praça de alimentação.

Refeições balanceadas

O novo restaurante terá capacidade para servir 1 mil refeições por dia, mas inicialmente irá oferecer 500 pratos. Para atender às normas da Vigilância Sanitária, os alimentos chegarão ao local prontos para serem servidos. Não haverá cozinha, mas uma área para recebimento das refeições e inspeção pelas nutricionistas da Smab.

De acordo com Morgiana Maria Kormann, coordenadora dos restaurantes populares (Matriz, Sítio Cercado, CIC/Fazendinha e Pinheirinho), o padrão da alimentação no local será o mesmo das atuais unidades de Curitiba, com refeições balanceadas e de qualidade.

Segundo o arquiteto Mauro Magnabosco, do setor de Projetos Especiais do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) e responsável pelo projeto, o novo restaurante popular foi desenhado para ser eficiente e oferecer conforto à população no momento das refeições.

O fluxo de entrada e saída das pessoas foi pensado de forma a possibilitar que o restaurante funcione dentro de uma lógica na qual seja possível que cidadão tenha acesso aos lavatórios na chegada, siga ao bufê para fazer a escolha do alimento, acesse as mesas e, na saída, deposite o prato para que seja higienizado e devolvido limpo ao próximo cliente.

 

[themoneytizer id=21651-2]

 

Na parte externa ao restaurante, de frente para a Avenida Affonso Camargo, estará o espaço de atendimento da Fundação de Ação Social (FAS), um receptivo para o cadastro de pessoas em situação de vulnerabilidade. Elas terão prioridade no uso do restaurante. No espaço oposto, de quem desce pela Rua Ubaldino do Amaral, estará o posto da Guarda Municipal.

Alimentação saudável

Os restaurantes populares atuais da Prefeitura têm como missão garantir uma alimentação saudável a preços mais baixos. As unidades são frequentadas diariamente por 4,2 mil pessoas, que têm acesso a um cardápio balanceado, a R$ 2, incluindo sobremesa.

Todos os dias o menu muda, mas é o mesmo nas quatro unidades. Os locais ficam abertos para almoço de segunda à sexta-feira, das 11h às 14h, e são fornecidas 1,8 mil refeições por dia na unidade da Matriz e 800 refeições em cada um dos três outros pontos.