As ações de mobilização contra o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya continuam em todo Paraná. Em Umuarama, a Universidade Paranaense optou por um trote diferenciado este ano. Os calouros dos cursos das áreas de saúde se tornaram agentes de combate à dengue. Foto: Divulgação

Secretaria da Saúde divulga novo boletim da dengue, zika e chikungunya

O informe técnico divulgado nesta terça-feira (12) pela Estadual da Saúde aponta mais oito municípios em epidemia de dengue – Antonina, Matelândia, Missal, Pérola, Iguaraçu, Paiçandu, Florestópolis e Sertanópolis são as novas cidades do Paraná que apresentam mais de 300 casos da doença a cada 100 mil habitantes. No total, agora são 52 municípios epidêmicos.

O número de casos de dengue confirmados no Paraná também aumentou. Agora são 24.393 casos, 2.938 a mais do que na última semana. Dos 399 municípios do Estado, 73% apresentam casos confirmados da doença – 293 municípios nas 22 Regionais de Saúde do Paraná.

“Verificando a série histórica, os casos de dengue seguem aumentando durante o mês de abril. É provável que ainda não tenhamos atingido o pico da epidemia neste período. Por isso, a mobilização não pode parar”, afirma a superintendente de Vigilância em Saúde, Cleide de Oliveira.

Os casos de chikungunya passaram de 46 para 49 em uma semana. Desses, apenas cinco casos são autóctones, ou seja, contraídos dentro do município de residência. Os casos de Zika passaram de 223 para 245, com 90 casos importados – confirmados em pessoas que foram contaminadas durante período de viagem de até 15 dias que antecederam o início dos sintomas da doença.

PREVENÇÃO E COMBATE – As ações de mobilização contra o mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya continuam em todo Paraná. No sábado (9), o Dia D contra o mosquito Aedes aegypti mobilizou todo o Estado. Para conscientizar a população, as Regionais de Saúde e prefeituras investiram em ações diferenciadas e que chamassem a atenção da comunidade para a necessidade de eliminar o mosquito da dengue.

“Estamos contando com a criatividade dos nossos gestores de saúde para sensibilizar cada vez mais cidadãos paranaenses. A população não pode esquecer de cuidar das suas casas e, mesmo com a queda das temperaturas, não deixar água parada para não dar chance ao mosquito se reproduzir”, ressalta a superintendente de Vigilância em Saúde, Cleide de Oliveira.

Em Umuarama, a Universidade Paranaense optou por um trote diferenciado este ano. Os calouros dos cursos das áreas de saúde se tornaram agentes de combate à dengue. Em apenas um dia, 300 alunos conseguiram visitar mais de 4.600 residências e pontos comerciais da cidade.

Em Cianorte, município localizado no Noroeste do Estado, mais de 400 alunos de uma escola municipal saíram às ruas de Cianortinho para lembrar a população dos cuidados necessários para evitar o Aedes aegypti. Durante o trajeto por um dos bairros mais populosos da cidade, os alunos em coro gritavam frases como “fora dengue!” e “vamos acabar com o mosquito!”.

Enquanto os alunos estavam na passeata, um artista local pintou a muro da escola também abordando o tema para reforçar a campanha com quem passava pelo local. Quem estava no Centro da cidade viu mosquitos Aedes aegypti, mas eram os agentes de saúde fantasiados para coletar lixo da região, receber denúncias e fornecer as informações necessárias sobre a doença.

No Norte Pioneiro, em Santa Cecília do Pavão, eliminar focos do Aedes aegypti virou um jogo. Durante a semana, os agentes de saúde do município visitaram as residências de toda a cidade procurando e eliminando os criadouros da dengue. Quem já estivesse com o quintal limpo, ganhava uma cartela para jogar bingo no fim de semana.

Os moradores também precisavam ajudar na limpeza do quintal dos vizinhos e envolver todo o bairro na brincadeira que buscava acabar com a dengue. “Os prêmios do bingo, como televisores e lavadoras de roupas, foram cedidos pelo comércio local para incentivar e envolver todos nesse combate”, conta o coordenador de Endemias da 18ª Regional de Saúde, Alessio Braganholo Neto.