Os desafios para a melhoria da educação em nosso país são múltiplos e envolvem diferentes perspectivas: econômica, social e de ordem estrutural.

Com frequência encontramos discussões a respeito da utilização de metodologias inovadoras no ensino, em oposição as metodologias mais tradicionais com forma de dar fôlego no processo de ensino aprendizagem em nosso país. Um dos temas recorrentes é o uso de games no ensino, ou a chamada gamificação. O fato é que, a gamificação vem sendo discutida nos últimos tempos como uma alternativa vantajosa para a promoção do engajamento dos alunos nos conteúdos ministrados no ambiente educacional.

O uso de games auxilia no raciocínio e estabelecem regras a serem seguidas, também contribui para a melhoria das relações sociais, é prazeroso, assim como, estimula o trabalho em equipe. As reações são instantâneas, e os feedbacks reproduzem em instantes o desempenho apresentado. Os elementos retirados dos games contribuem de maneira significativa para o pleno desenvolvimento dos alunos. Os estudantes se tornam mais participativos e isso reforça não apenas o seu aspecto intelectual, mas também, suas habilidades diversas e uma competição saudável. O uso dessa metodologia ativa, permite que o estudante seja ainda mais protagonista de sua história.

É preciso investir mais nessa estratégia nas escolas pois facilitam a aprendizagem e dão outra dinâmica no ensino. A educação precisa de novos estímulos, desafios, não podemos mais ficar a margem das tecnologias e do progresso educacional. Sabemos que, lamentavelmente às mudanças ocorrem em uma velocidade desproporcional a da educação, porém, é preciso um esforço conjunto para inserir nossas crianças e adolescentes em um contexto de maior retenção do conhecimento, logo, cabe a todos nós nos preocuparmos mais com os rumos da educação.

O ensino deve ser prazeroso, atrativo e desafiador, nesse sentido, a autonomia, o estímulo a persistência, a promoção do diálogo, a ludicidade, o desenvolvimento de competências socioemocionais, o espírito competitivo e a busca por objetivos são alguns dos muitos benefícios da gamificação na educação.

Diante disso, tudo é bem-vindo quando se trata de inovações e tentativas de criar ambientes mais produtivos e favoráveis ao aprendizado, seja por meio da sala de aula invertida ou da gamificação, assim como, de modelos de ensino híbridos.

Renato da Costa é graduado em Administração, pós-graduado em Administração Estratégica, Mestre e Doutor em Administração, com estágio de Pesquisa e Docência na Universidad Jaume I no Sul da Espanha em 2017, Pós-Doutorando em Gestão Urbana. É membro da ACCUR-Academia de Cultura de Curitiba, membro associado da Academia Paranaense da Poesia, professor há 17 anos, escritor.