Apresentar um texto sem avaliar o contexto acaba virando um pretexto, uma ação perigosa que induz normalmente as pessoas menos avisadas ao erro, enganos e enganações, a menos que tenham exatamente a intenção de provocar confusão.

Quando as pessoas ou determinados grupos não estão mais vivenciando no terreno da razão, passando ao fanatismo desenfreado que nada constrói, vivendo no erro, algo está errado.

Parece que, de repente, tudo acaba na justiça, não deixando margem a outro tipo de negociação. Lembrando que a guerra jurídica pode levar à litigância de má fé, podendo perpetuar a pobreza, a miséria e o infortúnio no país, um verdadeiro Apartheid socioeconômico.

“Ser honesto não é só uma virtude, mas uma obrigação.” (Jair Bolsonaro). Sinceramente, tem-se que ter o maior cuidado possível para não se ficar totalmente errado.

As minorias devem entender que se deve respeitar a vontade da maioria, a família, celula mater da sociedade, o devido combate às drogas e à corrupção endêmica. Por falar em corrupção, não se pode olvidar que ela mata o sonho da maioria dos brasileiros, que ficam privados de emprego, educação, assistência e segurança.

Tudo que agrega valor à Segurança Nacional tem reflexos direto na garantia da liberdade, da paz social e da cidadania. Temos que ter o cuidado para não sermos uma república que não valorize a cidadania.

Não se pode tomar decisões importantes e usar questões pessoais ou ideológicas. Perigoso é se fazer juízo de valor das mentiras, ao invés de se consultar a veracidade das fontes, bem como emitir opiniões sem o mínimo de exame da questão posta.

Espera-se que as pessoas devam enriquecer através de seus talentos e não somente através de suas espertezas e do clube do bolinha.

Admirável mundo novo, bem vindo as redes sociais, bem vindo os rivais que fazem os contrapontos pertinentes, mas todos devem respeitar o convívio dos contrários, o que faz bem à democracia. Acresce que direito de opinião não é direito de agressão.

Os brasileiros devem saber como prosperar no caos, onde os problemas podem se transformar em oportunidade de solução e transformar em negócios. Não se entende por que há brasileiros que queiram viver na base de ideários de 200 anos atrás, que não deu certo em nenhum lugar do mundo. Todos precisam saber que já estamos no Sec. XXI.

Acorda pessoal, a unanimidade é burra, porém a polarização exacerbada é prejudicial ao país. Ademais, a nação deve procurar obter soluções aos problemas internos sem aceitar a ingerência externa, quase sempre voltada aos interesses alienígenas.Martin Luther King nos ensina que “Se eu não puder fazer coisas grandiosas, posso fazer pequenas coisas de forma grandiosa.”

Titular do Coluna Patriota Isaac escreveu para o Jornal do Rebouças 160 textos no período de 2018 a 2021. Era Tenente-Coronel do Exército Brasileiro, bacharel em Ciências Militares pela AMAN, bacharel em Administração pela UFSM, especialista em Comunicações pela EsCOM, Mestre em Operações Militares pela EsAO, extensão em Política e Estratégia pela ADESG, Análise e Desenvolvimento de SI Gerenciais pelo ISPG, Curso Livre em Teologia pelo ITQ Água Verde, patriota da LDN-PR e palestrante. Faleceu aos 66 anos, vítima da Covid-19.