A selva nos une

A região amazônica inclui o Brasil, Venezuela, Colômbia, Peru, Bolívia, Equador, Suriname, Guiana e Guiana Francesa. Rica em fauna, flora e extensas reservas minerais, como o estratégico nióbio, vem há muito tempo despertando a cobiça estrangeira.

Posso afirmar que há uma grande farsa a respeito de tribos como Yanomami, que nunca existiu. Muitas destas tribos estão situadas em regiões ricas em minerais. Não é do interesse nacional continuar distribuindo grandes extensões de terras aos índios brasileiros.

O Brasil, nos últimos governos, tem cedido à pressão internacional no sentido destas demarcações, por países que sequer respeitaram a cultura dos aborígenes. Portanto, não são exemplo para exigir o que nunca fizeram. Não há outra razão do que manter reservas para um momento futuro ou mesmo traficarem estas riquezas, sem que retornem em divisas em benefício do país.

Os políticos brasileiros, até agora, não têm demonstrado a menor preocupação com os reais interesses e aspirações nacionais, no sentido de transformar a riqueza potencial em progresso, capaz de gerar emprego e renda para o povo.

Em relação ao Projeto Calha Norte, visando, num primeiro momento, a integração nacional, o que se observou foi somente a presença das Forças Armadas e muito poucos órgãos do governo federal na região. Muitas vezes o Exército está fazendo o papel de governo nas regiões mais remotas, longe do centro dinâmico do poder.

Recebemos no Alto Solimões muitas visitas de autoridades e da Comissão de Defesa Nacional que nada fizeram de relevante para a região. Aliás, relevante sempre foi o hercúleo trabalho dos militares em face da população local.

Em Tabatinga, AM, além das minhas atividades do quartel, fui voluntário da Cruz Vermelha Brasileira por três anos, abri gratuitamente um Curso Preparatório para o Concurso da Escola de Sargento das Armas, com 100% de aproveitamento, um Curso Preparatório para o Vestibular, tudo na garagem de casa. A minha esposa chegou a dar aulas para as crianças num colégio batista de ensino fundamental. Visitava comunidades ribeirinhas e a tribo Ticuna.

A necessidade de dependermos um dos outros, redunda na união de esforços para o cumprimento da missão, lembrando-se das palavras constantes da Oração do Guerreiro de Selva, invocando o merecimento da vitória.

Selva!