Parodiando o ministro Gilmar Mendes, na ocasião em que foi pedido o adiamento do mensalão pelo governo da época, “Vivemos dias estranhos” […].

Uma rápida leitura da situação política atual dá a entender que tem gente que está num negacionismo do resultado das eleições de 2018, numa campanha do contra e ainda a favor do vírus chinês […].

O poder legislativo judicializando questões, perde o protagonismo para o judiciário, que, legislando, usurpa as atribuições dos parlamentares.

O judiciário, que não foi eleito pelo povo, interfere no poder executivo, por ativismo judicial, por provocação de parlamentares ou partidos políticos de oposição, realizando um cerco ao governo federal […]. Interferir em outros poderes não faz parte da fumu boni iuris.

Partidos políticos prejudicam o andamento do parlamento, porque uma simples matéria deve passar por várias comissões e parlamentares, além da necessidade de ser pautada pelo presidente da casa, num grande periculum in mora.

Há políticos colocando os seus interesses acima do País, levando a se pensar na existência de um complô contra o Brasil. “Parece realmente que existe um mecanismo que se retroalimenta da coisa pública.” (Augusto Nunes).

O povo, dono do poder (Art. 1º CF), não se levanta contra o Judiciário ou contra o Congresso. Ele reclama da atuação de detentores dos cargos que deixam a desejar […].

Interessante a proposta de uma nova Constituição: “O artigo 1º da Constituição deveria ser – Todo brasileiro deve ter vergonha na cara, e o artigo 2º – Revogam-se as disposições em contrário.” (Capistrano de Abreu).

Rui Barbosa disse: “A pior ditadura é do Poder Judiciário. Contra ela, não há a quem recorrer.” O que se quer é a independência dos três poderes e não uma palavra morta na Constituição (Art. 2º CF).

As FFAA são a favor da CF e da legalidade. “Independência e harmonia entre os poderes é essencial para a governabilidade.” (Ministério da Defesa).

Pode prevalecer a desobediência civil à justiça, governadores e prefeitos em prol do ganha pão em que, por necessidade, as pessoas não vão ficar mais em casa.

Os deuses do Olimpo ficariam com pejo do que ocorre no Brasil na atual conjuntura com os que se acham deuses ou semideuses.

Ou Brasil é verde e amarelo ou partiremos para uma “cubanização” ou “venezuelização” ou seremos eternos bruzundangas (Leia “Os Bruzundangas”, de Lima Barreto).

O título lembra as “Catilinárias, uma série de quatro discursos célebres do cônsul romano Marco Túlio Cícero, pronunciados em 63 a.C. Eles denunciam a conspiração pretendida pelo senador Lúcio Sérgio Catilina, que logo de início destila: Até quando, Catilina, abusarás de nossa paciência? (…).” (Wikipédia).

Reflita: “Há mais mistérios entre o céu e a terra do que a vã filosofia dos homens possa imaginar…”  (William Shakespeare).

Isaac Carreiro Filho (em memória)
Titular do Coluna Patriota Isaac escreveu para o Jornal do Rebouças 160 textos no período de 2018 a 2021. Era Tenente-Coronel do Exército Brasileiro, bacharel em Ciências Militares pela AMAN, bacharel em Administração pela UFSM, especialista em Comunicações pela EsCOM, Mestre em Operações Militares pela EsAO, extensão em Política e Estratégia pela ADESG, Análise e Desenvolvimento de SI Gerenciais pelo ISPG, Curso Livre em Teologia pelo ITQ Água Verde, patriota da LDN-PR e palestrante. Faleceu aos 66 anos, vítima da Covid-19.