“Na penumbra da capela, um jovem escudeiro presta a vigília de armas. Pede que Deus lhe dê forças para desprezar o repouso e amar a luta, honrar a palavra empenhada e auxiliar o próximo, defender os fracos e as mulheres, ser desprendido e corajoso, porque só assim se é cavaleiro “sem medo e sem mácula”, orgulho de sua família, de seu rei e de seu tempo.

Chega a madrugada e termina a vigília. Um cavaleiro mais idoso, príncipe ou alto barão, se aproxima e lhe entrega as armas. Ajoelha-se o jovem e recebe três vezes o golpe da espada sobre a nuca, como se o velho lhe quisesse transmitir a experiência de mil combates. Sagra-se o novo cavaleiro. E lá vai ele, transpassar com a lança a Quintana, para mostrar que adquiriu perícia e vigor. E sai pelo mundo, valoroso defensor dos oprimidos, num mundo de opressão, num mundo onde só a força contava, ele sabia ser e ensinar a ser padrão de direito, paladino da lealdade e da justiça. Ao vê-los, jovens alunos da escola preparatória de cadetes e jovens recrutas que aqui fazem o serviço militar prestarem o solene juramento, ocorre-me o paralelo com senas medievais da sagração de cavaleiros. Jovens, vocês são como escudeiros, a vigília d’armas. Vocês a substituem por meses de estudo, trabalho e preparo físico em que se empenharam, desde o dia em que cruzaram os portões desta casa. O gesto de tocar-lhes com a espada não é mais necessário. Marcando a espontaneidade de sua opção, vocês levantaram o braço direito no ato sagrado e se ungiram, novos cavaleiros, novos soldados da Pátria. Como eles, um dia vocês se irão. Num mundo de descrença, semearão a fé.

Num mundo de imediatismo, mostrarão a grandeza dos valores eternos, porque vocês também serão paladinos da lealdade e da justiça, de confiança e de correção.” (Discurso do ex-aluno Marco Antonio Amaro dos Santos, atual Comandante Militar do Sudeste, extraído da revista de formatura da Turma Bicentenária de Campinas, EsPCEx).

Ao prestarem o solene juramento à bandeira os militares prometem cumprir rigorosamente as ordens das autoridades e defender as instituições, até com sacrifício da própria vida.

Da próxima vez que ver um militar tenha a certeza de que está diante de uma pessoa de confiança, defensor da pátria, “Cavaleiro Templário da Modernidade”, verdadeiro herói do povo brasileiro.

Isaac Carreiro Filho
Militar da Reserva Remunerada do Exército Brasileiro, especialista em Comunicações, Mestre em Ciências Militares, bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria, extensão em Política e Estratégia pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, Curso Livre em Teologia pelo Instituto Teológico Quadrangular, professor particular, orientador de trabalhos científicos, colunista e palestrante.