O presente artigo aborda sobre a importância do seu voto, evitando problemas futuros.

Do jeito que está parece que a coisa não anda funcionando a contento: candidatos fazem promessas de campanha e quando estão no cargo esquecem de tudo o que prometeram e começam a legislar aparentemente contra o povo. Os candidatos ficam ali e tratam a sociedade como marionetes.

Não podemos mais ficar no Brasil do atraso, que se desestrutura, contribui com o monopólio partidário, com tudo passando pelo crivo dos partidos políticos ou de um presidente de casa legislativa e o povo ficando sem acesso ao que é seu.

Algumas práticas deveriam ser mudadas como a reeleição, grandes verbas partidárias, exigir mais o cumprimento das políticas públicas. Os governos no país só pensam em reeleição. “Deve ser criada uma estrutura política em que o povo realmente exerça a soberania dele” (Modesto Carvalhosa).

As redes sociais têm prestado um relevante serviço de esclarecimento ao público do que realmente ocorre no país, não ficando limitada à extrema imprensa funerária. Muitos fatos importantes são omitidos ou minimizados pelos grandes veículos de comunicação.

Em diversas ocasiões fizeram ações que indicam que eles acusam os outros do que eles são e fazem.

As comunidades intencionais, os militantes dos direitos humanos, feministas e de outras bandeiras acabam se omitindo deliberadamente em determinados casos, apoiando outros que atacam o governo. Como enxergar quem é o real inimigo? Eles praticam uma guerra informacional, com estratégias bem definidas. O que a gente deve fazer para não sermos mais manipulados, iludidos por estas estratégias?

Por outro lado, o garantismo, sem nenhum motivo aparente, vem virando o nosso ordenamento jurídico de ponta cabeça, ajudando os fora da lei, gerando cada vez mais a insegurança jurídica no país, que, por sua vez, prejudica os negócios. […].

As comunidades viraram áreas de exclusão aos bandidos, grupos criminosos mandam em territórios que deveriam estar sob o controle do estado brasileiro, as milícias mandam em determinadas regiões, formando um estado paralelo.

Os políticos, de uma forma geral, deveriam discutir temas mais relevantes para o País, ao invés de provocarem desagregação, contrários a temas relacionados à verdadeira democracia no Brasil. Não servem ao Brasil, servem aos seus próprios interesses.

Vamos valorizar os candidatos cujo passado não os condenam, candidatos que tenham foco no bem comum e, se possível, já venham fazendo alguma obra social.  “No dia 15 de novembro, mande para casa os maus políticos.

Creia-se que a sociedade deva estar preparada para votar conscientemente em candidatos que realmente possam contribuir com os anseios e aspirações do povo brasileiro.

Reflexão: “Nós podemos mudar o destino do Brasil.” (Bolsonaro).

Isaac Carreiro Filho (em memória)
Titular do Coluna Patriota Isaac escreveu para o Jornal do Rebouças 160 textos no período de 2018 a 2021. Era Tenente-Coronel do Exército Brasileiro, bacharel em Ciências Militares pela AMAN, bacharel em Administração pela UFSM, especialista em Comunicações pela EsCOM, Mestre em Operações Militares pela EsAO, extensão em Política e Estratégia pela ADESG, Análise e Desenvolvimento de SI Gerenciais pelo ISPG, Curso Livre em Teologia pelo ITQ Água Verde, patriota da LDN-PR e palestrante. Faleceu aos 66 anos, vítima da Covid-19.