No mês de outubro se comemora o Dia do Aviador e o Dia da Força Aérea Brasileira (FAB), porque há 113 anos um inventor brasileiro surpreendeu o mundo, com o seu 14 Bis nos céus parisienses, em 23 de outubro de 1906, sobrevoando o Campo de Bagatelli, França, surpreendendo e encantando a todos.

Desta forma, ficou registrado o início de uma grande revolução nos meios de transporte, sendo considerado o marco zero da aviação.

A FAB se rejubila atualmente por sua atuação em todo o território nacional com seus aviões de caça, transporte, patrulha, busca e salvamento, reconhecimento e aeronaves de asas rotativas (helicópteros). Todos os aviadores militares sempre contam as suas histórias, demonstrando grande amor à profissão e o orgulho de servirem à nação brasileira.

Sob as asas da FAB, os pilotos protegem o espaço aéreo, conduzem o progresso e se dedicam obstinadamente à missão de proporcionar a inclusão social nos mais longínquos rincões de nosso país, transportando alimentos, saúde e esperança rotineiramente […].” (Nivaldo Luiz Rossato, Tenente-Brigadeiro do Ar. Revista NoTaer, Out. 2018).

Pura verdade, já que, além de outras cooperações da Força Aérea, os pelotões Especiais de Fronteira do Exército Brasileiro mais afastados recebem suprimento aéreo por meio de aeronaves da Aeronáutica, sendo muitas vezes o único meio de transporte disponível.

Infere-se que o Exército Brasileiro tem sido muito grato por receber, sempre que possível, o apoio aéreo incondicional que possibilita o cumprimento de suas missões.

No seu esforço de Comunicação Social, a FAB publica periodicamente uma interessante revistinha sob a forma de histórias em quadrinho (HQ) da Turma do Fabinho, voltadas principalmente ao público infantil.

Para bem cumprir a sua missão, a atualização tecnológica, o aperfeiçoamento e a valorização profissional tem sido constante no âmbito da força.

A FAB está sempre pronta a qualquer momento, em qualquer lugar. Assegurar o controle e defesa do espaço aéreo, promover a integração nacional e zelar pela soberania do país estão acima de qualquer preço.” (Revista NoTaer, Out.2018).

Para saber mais, consulte os portais www.fab.mil.br e www.cindacta2.aer.mil.br e a Revista NoTaer.

Titular do Coluna Patriota Isaac escreveu para o Jornal do Rebouças 160 textos no período de 2018 a 2021. Era Tenente-Coronel do Exército Brasileiro, bacharel em Ciências Militares pela AMAN, bacharel em Administração pela UFSM, especialista em Comunicações pela EsCOM, Mestre em Operações Militares pela EsAO, extensão em Política e Estratégia pela ADESG, Análise e Desenvolvimento de SI Gerenciais pelo ISPG, Curso Livre em Teologia pelo ITQ Água Verde, patriota da LDN-PR e palestrante. Faleceu aos 66 anos, vítima da Covid-19.