As novas gerações já nasceram imersas em tecnologias e conectadas com o mundo.

Os dispositivos móveis existentes como: notebooks, tablets, smartphone (esses mais utilizados para uso de internet), smart speakers (caixa de som que utiliza assistência virtual), leitores de livros digitais, smartwatches (relógios de pulso digitais que suportam aplicativos), são exemplos conhecidos do público mais jovem.

Por meio da educação tecnológica o ser humano consegue entender o seu papel em sociedade, assim como, a dinâmica das suas relações sociais. O uso de ferramentas tecnológicas potencializa o processo de ensino aprendizagem das crianças e dos adolescentes, por conta do estímulo à busca de informações e em consequência, a formação do conhecimento.

A educação tecnológica é capaz de engajar, motivar, estimular a sala de aula aumentando a produtividade dos alunos, dando mais dinâmica a disseminação dos conteúdos, fazendo da escola um ambiente de criação.

A nova geração não quer apenas aprender conteúdos por obrigação ou para cumprir as exigências curriculares, ela quer poder aplicar os conhecimentos em sua vida pessoal ou profissional por exemplo.

Por outro lado, o avanço da educação não caminha na mesma velocidade que as mudanças da sociedade. O fato é que, as práticas pedagógicas tradicionais estão passando por um período de transição em que, os professores agora mais conectados estão começando a se apropriar das tecnologias disponíveis. Logo, a escola precisa propor desafios tecnológicos capazes de levar os alunos a observação, reflexão, questionamento, dúvida, argumentação etc.

Ocorre que, muitos professores detêm para si o conhecimento do uso das tecnologias, mas possuem grandes dificuldades de transmiti-las aos seus alunos.

Nesse sentido, a interatividade é fundamental durante o processo, sendo que o professor passa a ser um mediador na busca do conhecimento, comprometido em investir em métodos que possam aproximar a tecnologia do ambiente educacional.

Os alunos precisam ser protagonistas de suas histórias e, nesse caso, o uso das tecnologias na educação são fundamentais para a consolidação desse processo.

O ambiente pedagógico não pode mais ser como antes, os tempos são outros e a inventividade pede passagem.

Renato da Costa é graduado em Administração, pós-graduado em Administração Estratégica, Mestre e Doutor em Administração, com estágio de Pesquisa e Docência na Universidad Jaume I no Sul da Espanha em 2017, Pós-Doutorando em Gestão Urbana. É membro da ACCUR-Academia de Cultura de Curitiba, membro associado da Academia Paranaense da Poesia, professor há 17 anos, escritor.