Inconformada com as eleições de 2018, a oposição no Brasil abriu uma verdadeira guerra política sem fim, ao invés de aproveitar para apresentar propostas alternativas e fazer uma oposição mais responsável.

Por definição, guerra é a continuação da política por outros meios. Política é a arte de administrar a pólis. Agora, mortos votam?

Existem candidatos que nunca fizeram nada que agora lutam por uma vaga na política, até de assessoria. Cabe aqui o eleitor identificá-los para que evite a eleição dos mesmos. Pelo que se vê, a impressão que dá é que querem se servir da política ao invés de socorrer o povo.

Alguns, se eleitos ou reeleitos, certamente prestarão um desserviço aos eleitores. Pessoal, currículo não é tudo na vida. Tem muita gente que só sabe acumular currículo sem ter praticado o que aprendeu.

Algumas considerações sobre a pandemia que foi politizada desde o início. Cientistas estão defendendo a imunidade de rebanho ao invés da falsa ciência do lockdow.

Jane Fonda, que ainda está viva, disse: “Covid é um presente de Deus para a esquerda.” Ativistas políticos, que só pensam no poder a todo custo, engrossam o coro da turma do quanto pior, melhor. “Graças a Deus apareceu a pandemia” e “Não vou enganar o povo mais uma vez.” (Lula). Este pessoal, ao lado da imprensa omissa e partidária, adota a política da terra arrasada. Eles torcem para que as pessoas morram.

Bolsonaro lamenta o efeito do isolamento social, lembrando que não foi ele quem determinou as restrições.

Há políticos corruptos no Covidão, desviando dinheiro da saúde. Há políticos defendendo a obrigatoriedade da vacina inexistente – Guerra da Vacina – e, na maior cara de pau, dizem que não têm pressa. Há políticos lunáticos querendo plebiscito para mudar a Constituição, querendo desviar a atenção das reformas, dos projetos de lei outros assuntos como ideologia de gêneros, escolas sem partido, “querendo destruir nossas crianças” (Silas Malafaia).

As pessoas não estão gostando de usarem a ciência com propósito de dominação e cerceamento da massa, com perda de emprego. O governador paulista diz que existe pressa para aprovar vacina contra a Covid-19, cerceando o direito do cidadão de escolher tomar ou não a vacina. “Ainda é muito cedo para se aprovar uma vacina.” (Comunicado da União Europeia). Cuidado, a nossa liberdade pode estar sendo ameaçada.

“Eu entendo que isso não é uma questão da Justiça, isso é questão de Saúde, acima de tudo. Não pode ser um juiz decidir se você vai ou não tomar vacina, isso não existe.” (Bolsonaro).

Agora é a vez dos patriotas serem eleitos, forjados no calor da batalha do dia a dia, ajudando as pessoas incondicionalmente.

Reflexão: “Vamos olhar para o Brasil e deixar de pequenices.” (Tarcísio Freitas).

Isaac Carreiro Filho
Tenente-Coronel do Exército Brasileiro, bacharel em Ciências Militares pela AMAN, bacharel em Administração pela UFSM, especialista em Comunicações pela EsCOM, Mestre em Operações Militares pela EsAO, extensão em Política e Estratégia pela ADESG, Análise e Desenvolvimento de SI Gerenciais pelo ISPG, Curso Livre em Teologia pelo ITQ Água Verde, patriota da LDN-PR, colunista e palestrante.