A osteoartrite é uma doença de característica crônica, que destrói a cartilagem articular e,  consequentemente, provoca a degeneração das articulações, podendo afetar também toda a estrutura óssea ao seu redor. De acordo com o Ministério da Saúde, 15 milhões de brasileiros sofrem com o problema e para as mulheres, acredita-se que a menopausa é um dos fatores de risco.

A Cartilagem articular sente a falta do estrogênio 

As alterações hormonais provocadas pela menopausa podem favorecer ou acelerar a  ocorrência de osteoartrite. Nesta fase da vida, as mulheres apresentam uma redução drástica na produção de estrogênio, um hormônio responsável, entre outras coisas, pela  manutenção da cartilagem e dos ossos do corpo.

Associado a outros fatores, como obesidade, diabetes, e lesões articulares, a queda na quantidade de estrogênio favorece o desgaste da cartilagem e o desenvolvimento da osteoartrite. No caso das mulheres, a genética também é um importante fator de risco, devido às maiores chances de ter cartilagens pouco resistentes.

Ao chegar a esta etapa da vida, as mulheres podem adotar alguns cuidados para diminuir o surgimento da doença, especialmente as que apresentam fatores de risco. A alimentação saudável e controle do peso corporal, além de atividades físicas leves, moderadas e no  mínimo 3 vezes na semana, de preferência com acompanhamento profissional, podem  ajudar a prevenir ou retardar o aparecimento da doença.

O trabalho dos músculos deve ser global

Vale lembrar que, no intuito de proteger as articulações, a musculação não deve ficar restrita a poucos músculos, devendo abranger diversas partes do corpo. Quando há uma  parte mais fortalecida que outra, podem acontecer mudanças na execução dos movimentos
capazes de levar a prejuízos em determinadas articulações. Um reforço somente no ombro
direito, por exemplo, pode atrapalhar os braços, caso estes não sejam trabalhados corretamente. E aí dores e alterações posturais podem surgir a partir de exercícios mal feitos.

Quem já apresenta dores nas articulações pode procurar um fisioterapeuta para tratar o problema, antes que elas comecem a se agravar, pois a fisioterapia é uma das grandes aliadas para tratar as doenças articulares.

Um dos tratamentos fisioterápicos mais eficazes para prevenir o avanço da doença é a RPG (Reeducação Postural Global), pois ela tem a capacidade de diminuir o estresse articular, aumentando os espaços intervertebrais e interarticulares, de maneira gradativa e suave. O ideal é que seja realizada uma vez por semana.

Quando o paciente apresenta edema e processos inflamatórios nas articulações, muitas vezes o fisioterapeuta pode associar o uso de parelhos de ultrassom, para que haja alívio imediato da dor e da rigidez articular