O ensino militar e os capitães no Brasil contemporâneo

De Formião, filósofo elegante,
Vereis como Aníbal escarnecia,
Quando das artes bélicas, diante
Dele, com larga voz tratava e lia.
A disciplina militar prestante
Não se aprende Senhor, na fantasia,
Sonhando, imaginando ou estudando,
Senão vendo, tratando e pelejando.

(Os Lusíadas, Canto X, Luís de Camões)     

Diante da insistência de que os capitães não entendem de economia e de administração, trago à baila o presente tema (acesse o programa “Os pingos nos is”, da Jovem Pan, disponível em jp.com.br/pingos, ao vivo, ou jp.com.br /pingadas).

Os Colégios Militares têm sido referência no ensino do país, participando do “Soletrando” do programa do Luciano Huck, da TV Globo, de Olimpíadas de Matemática e de outros eventos.

O ingresso na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, Campinas, São Paulo, se dá mediante concurso público em todo o país, obedecendo ao que prescrevem as Instruções Gerais para Admissão e Matrícula. A etapa seguinte para o oficialato é o ingresso na AMAN.

Na Academia Militar das Agulhas Negras, Rezende, Rio de Janeiro, são ministradas disciplinas acadêmicas do Ensino Superior e disciplinas técnico-profissionais do campo militar.

O Exército, como instituição nacional permanente, preocupa-se com o preparo técnico-profissional de seus integrantes, sem se envolver diretamente com questões político-partidárias conjunturais. O capitão é por excelência um líder, estando submetido hierarquicamente ao comandante da Unidade e tecnicamente trabalhando em harmonia com o Estado-Maior, que presta assessoria ao comandante.

Desde cedo o oficial aprende a administrar o pessoal, material e finanças sob a sua responsabilidade e quando chega ao posto de capitão reúne experiência suficiente para dar prosseguimento às atividades de que é encarregado. Alguns são deslocados para compor o staff do quartel.

Depois de dez anos de serviço, o oficial de carreira, como capitão, pode ingressar na Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais, Rio de Janeiro, RJ, nível Mestrado.

Pelas mãos dos oficiais passam milhares de cabos e soldados, centenas de subtenentes e sargentos, dezenas de outros oficiais, temporários ou de carreira. Pela credibilidade conquistada, os militares são considerados os queridinhos do Brasil por grande parte do povo brasileiro.