Não concordo com partidos políticos que afirmam alto e em bom tom que não precisam fazer autocrítica. Todos devem fazer autocrítica, até mesmo para corrigirem rumos, verificar o que deu errado para acertar as linhas de ação e aperfeiçoar estratégias. Ninguém é inerrante como a Bíblia ou autossuficiente como o Todo Poderoso.

A própria Palavra de Deus é taxativa ao dizer que todos pecaram e destituídos estavam da glória de Deus. O que é pecar senão errar o alvo? O ser humano deve ter humildade suficiente para reconhecer os seus erros, se reavaliar periodicamente, pedir perdão, fazer o seu mea culpa. Chega de Arrogância, de Bandidolatria e de Democídio.

Contudo, gostaria de trazer à baila o conteúdo de um Manifesto distribuído nos movimentos de rua, datado de 26 de maio deste ano, de autoria do Instituto Plínio Corrêa de Oliveira, intitulado “ESTÁ EM JOGO O BRASIL AUTÊNTICO, CRISTÃO E FORTE”.

O Manifesto diz que esta última eleição presidencial foi a tentativa de o povo dar um basta a anos de dominação socialista. “Cansados da demagogia socialista, ruas e avenidas de um incontável número de cidades foram tomadas por manifestantes inconformados com a situação a que foi conduzido o País. Durante décadas o Brasil foi submetido a uma verdadeira revolução cultural de viés socialista que parecia irreversível.

Esta revolução dispunha a seu favor grandes meios de comunicação de massa, de vultosas verbas publicitárias e dos ventos do politicamente correto que impunha silêncio aos opositores. E sua sanha não poupava sequer a inocência de nossas crianças, ameaçadas pela ideologia de gênero[…].

O que pretendem os opositores é desestabilizar o Governo por meio de uma campanha sistemática, dividindo sua base de sustentação e desconcertando a reação conservadora[…]. Eles querem acabar com o Brasil de vez.

O que os brasileiros almejam, do fundo de suas almas para nossa Pátria é que, no plano moral: seja garantida a vida, da concepção à morte natural; uma família seja constituída por um homem e uma mulher; se respeite o sagrado direito dos pais à educação de seus filhos. E, no plano socioeconômico: o respeito à livre iniciativa; ao direito de propriedade privada; e ao princípio de subsidiariedade.

O que está em jogo, portanto, não é apenas o Governo, mas o Brasil profundo que despertou, e que não deseja ser levado à atual situação da Venezuela, vítima da ideologia marxista[…].” (ipco.org.br/brasil-autentico).

Que as pessoas de bem continuem a se manifestar pacificamente visando um país melhor, mas muita calma nesta hora com as reações do pessoal da Seita inconformada, impatriótica, apoiadora de ditaduras e que procura “fazer o diabo” para a conquista do poder. Em dúvida, solicite o acompanhamento policial.

Titular do Coluna Patriota Isaac escreveu para o Jornal do Rebouças 160 textos no período de 2018 a 2021. Era Tenente-Coronel do Exército Brasileiro, bacharel em Ciências Militares pela AMAN, bacharel em Administração pela UFSM, especialista em Comunicações pela EsCOM, Mestre em Operações Militares pela EsAO, extensão em Política e Estratégia pela ADESG, Análise e Desenvolvimento de SI Gerenciais pelo ISPG, Curso Livre em Teologia pelo ITQ Água Verde, patriota da LDN-PR e palestrante. Faleceu aos 66 anos, vítima da Covid-19.