“O Prêmio Nobel é uma das mais prestigiadas premiações do mundo. Todos os anos, pessoas que fizeram pesquisas de grande valor para o bem do ser humano em diversas áreas, como Química, Física, Medicina, Literatura, Economia e Paz, são escolhidas e premiadas.

A vontade foi do inventor suco Alfred Nobel  que estabeleceu os prêmios em 1895. Entre 1901 e 2012, os prêmios Nobel foram laureados 555 vezes a 856 pessoas e organizações. Com os poucos que receberem mais de uma vez o Prêmio, o total vai para 835 indivíduos (791 homens e 44 mulheres) e 21 organizações…

O Prêmio Nobel da Paz é entregue em Oslo, Noruega, enquanto os outros prêmios são concedidos em Estocolmo, na Suécia. O Prêmio Nobel é amplamente considerado como o mais prestigioso prêmio disponível nos campos da literatura, medicina, física, química e paz (…).” (Texto adaptado de Wikipedia).

A escolha dos vencedores é feita por sugestão dos acadêmicos e intelectuais do mundo inteiro diretamente às entidades julgadoras. Cada categoria é avaliada por uma entidade específica. A Fundação Nobel é responsável por administrar e fiscalizar.

Desde o “Terra à vista” de Cabral até o “Corrupção à Vista” de Moro, nunca se viu um Prêmio Nobel sequer concedido a um brasileiro. A ignorância é um desrespeito a todo mundo, tanto que os compatriotas não aprenderam ainda que o povo perece por falta de conhecimento. Falta quem indica.

Por outro lado, parece que o País cisma em se nivelar por baixo, tentando massificar, dividir, socializar, politizar as questões, ao invés de olhar com bons olhos a meritocracia. Ao não se atacar devidamente a questão socioeconômica e cívica, dificilmente o País conseguirá alcançar os seus objetivos nacionais.

Um dos problemas brasileiros é achar que não pode conquistar nada, não é capaz disso e daquilo, ter baixa autoestima e pouca capacidade de auto realização.

FONTE: GODOY, 2009

Do que foi exposto, resta evidente que o primeiro Prêmio Nobel Brasileiro será uma questão de tempo. Outra sugestão, a quem interessar possa, seria a indicação ao Prêmio Nobel da Paz ao ex-juiz Sérgio Fernando Moro e à Força-Tarefa da Lava Jato pelo competente trabalho de combate à corrupção no Brasil que pode levar à tão sonhada paz social. Corrupto não deve ter vez.

Isaac Carreiro Filho
Militar da Reserva Remunerada do Exército Brasileiro, especialista em Comunicações, Mestre em Ciências Militares, bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria, extensão em Política e Estratégia pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, Curso Livre em Teologia pelo Instituto Teológico Quadrangular, professor particular, orientador de trabalhos científicos, colunista e palestrante.