Vinculado ao MOVIMENTO CONSTITUCIONALISTA DE BRASILIDADE PAULISTA de 1.932 está o PAI DA AVIAÇÃO MARECHAL SANTOS DUMONT. Eis o texto de sua lavra: “São Paulo, 14 de julho de 1.932 – Meus patrícios. Solicitado pelos meus conterrâneos mineiros moradores neste Estado, para subscrever uma mensagem que reivindica a ORDEM CONSTITUCIONAL DO PAÍS, não me é dado, por motivo de moléstia, sair do refúgio a que forçadamente me acolhi, mas posso ainda por estas palavras escritas afirmar-lhes, não só o meu inteiro aplauso, como também o apelo de quem, TENDO SEMPRE VISADO A GLÓRIA DE SUA PÁTRIA DENTRO DO PROGRESSO HARMÔNICO DA HUMANIDADE, julga poder dirigir-se em geral a todos os seus patrícios, como um crente sincero em que os problemas da ordem política e econômica que ora se debatem, SOMENTE DENTRO DA LEI MAGNA PODERÃO SER RESOLVIDOS, DE FORMA A CONDUZIR A NOSSA PÁTRIA A SUPERIOR FINALIDADE DOS SEUS ALTOS DESTINOS. Viva o Brasil unido! SANTOS DUMONT”. (Trecho de uma palestra do Dr Mariano Taglianetti, no CINDACTA2).

Assim como Santos Dumont, a Força Aérea Brasileira, como as demais forças co-irmãs, se pauta por agir sempre dentro dos limites constitucionais.

Já a Medalha Constitucionalista foi criada com o fim de agraciar pessoas físicas ou jurídicas, nacionais ou estrangeiras, que por seus méritos, tenham se destacado em serviços prestados a São Paulo e ao culto da Revolução Constitucionalista de 1.932, sejam defensores da Constituição Federal, se tornando pessoas dignas de especial distinção.

O mês de outubro possui várias datas significativas para a Força Aérea Brasileira, motivo pelo qual esta coluna rende homenagens, antecipadamente, a todos os integrantes da aeronáutica, desejando êxitos profissionais e pessoais.

Congratulo-me com aqueles que trabalham e trabalharam para a manutenção da constitucionalidade brasileira, que aproveitam todas as oportunidades para elogiar o nosso torrão e repudio todos aqueles que desrespeitam, impatrioticamente, o jogo democrático e ainda tentam denegrir a imagem do país a todo custo, sabe-se lá por qual razão. Termino, parodiando Santos Dumont: “Viva o Brasil unido!”

Isaac Carreiro Filho
Militar da Reserva Remunerada do Exército Brasileiro, especialista em Comunicações, Mestre em Ciências Militares, bacharel em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria, extensão em Política e Estratégia pela Associação dos Diplomados da Escola Superior de Guerra, Curso Livre em Teologia pelo Instituto Teológico Quadrangular, professor particular, orientador de trabalhos científicos, colunista e palestrante.