Violência e Criminalidade no Brasil

A festejada professora Marli Pereira Barros Dias, em pesquisa recente sobre Violência e Criminalidade, levantou, dentre outros aspectos, a diferença entre elas. Violência é o constrangimento físico ou moral e criminalidade, o conjunto de infrações, de crimes. Dentre os fatores que estimulam o fenômeno da criminalidade e da violência citou: socioeconômico; demográfico; cultural; político, além do fácil acesso a armas, tráfico de armas e de drogas, tráfico de pessoas, aumento do uso de drogas.

O Brasil é um dos países mais violentos do mundo: “50 mil pessoas foram assassinadas, no Brasil, em 2012. Isto equivale a 10% dos homicídios no mundo” (ONU, 2014); 116 brasileiros morrem todos os dias por arma de fogo; o número de mortos por disparo de armas de fogo no Brasil chegou a 42.416 pessoas em 2012, segundo a nova edição do levantamento; 21,9 óbitos para cada 100 mil habitantes, em 2012; essa taxa é a segunda mais alta já registrada pelo Mapa da Violência da UNESCO, menor apenas do que a verificada em 2003, que foi de 22,2 mortes para cada 100 mil habitantes; no caso específico dos homicídios praticados com armas de fogo, a taxa de mortalidade de 2012 (20,7) é a mais elevada desde 1980.

No período de 2004 a 2012, o Mapa da Violência estima que 160.036 vidas foram poupadas, em virtude da política de controle de armas decorrente da aprovação do Estatuto do Desarmamento (…).” (José Padilha, diretor de Tropa de Elite 1 e 2).

“Ao analisarmos as raízes da formação da nacionalidade brasileira podemos afirmar que esta Colônia portuguesa tinha todas as condições para dar errado como um país de dimensões continentais.

O InfoPen (Informações Penitenciárias) Estatística fornece subsídios informacionais aos órgãos responsáveis na proposição de políticas públicas voltadas para o Sistema Penitenciário.

A Lei 11.340, Lei Maria da Penha, cria mecanismos para coibir e prevenir a violência doméstica e familiar contra a mulher. Desta forma, o país atende recomendação da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos.

Ademais, o ser humano moderno não é um troglodita, devendo rever suas posições, pois quem agride as pessoas é, antes de tudo, um covarde. Sem sombra de dúvidas, mudar a situação atual é preciso.