Todos já sabiam. Nos livros sobre a história do Furacão, as páginas sobre o ano 2019 ficarão marcadas. Os jogaços, os títulos, a raça e a qualidade de uma equipe que nunca sairá da memória dos athleticanos.

Entre os momentos lembrados com mais saudosismo, certamente estará a noite desta quarta-feira (4). Uma noite em que o Caldeirão ficou lotado para homenagear um dos maiores times que já vestiram a camisa rubro-negra.

Quem estava do outro lado não era um time qualquer. Mas a camisa do Santos, com toda a sua história, foi ofuscada por um Rubro-Negro que não poderia encerrar a temporada em seu estádio de outra maneira. Tinha que ser com mais uma vitória.

No primeiro tempo, o jogo foi complicado, com o adversário exigindo do goleiro Santos mais uma mostra de seu infindável repertório. Mas depois do intervalo, o que se viu foi o Furacão com que a torcida se acostumou. Veloz, incisivo, frio e impiedoso.

Rony trocou de lado no ataque, os espaços no meio de campo se fecharam, Madson acertou a defesa… E daí aconteceu o que todos esperavam. E sabiam que ia acontecer.

E como em um roteiro que parecia já escrito, apareceu Marco Ruben. Logo no primeiro minuto, Rony ludibriou a defesa santista, deu o cruzamento perfeito e, com um salto imortal, o camisa 9 marcou de cabeça.

Depois veio o baile. Impotente para reverter a situação, o Santos perdeu a cabeça, teve Luan Peres expulso e por clemência da arbitragem não se viu ainda mais reduzido. Enquanto isso, a torcida gritava olé para aquele toque de bola perfeito, paciente e mortal que é a cara deste Furacão.

No último instante, quando o Rubro-Negro puxava o contra-ataque que resultaria no segundo gol, o árbitro soou o apito final. Mas não existe final para este Athletico. Rony prosseguiu a jogada e tocou para Bruno Guimarães marcar um dos mais lindos gols da história athleticana.

Um gol que não ficará registrado nos jornais ou nas estatísticas. Apenas na memória de quem viveu essa noite mágica no Caldeirão. E quem disse que acabou? Há 12 jogos invicto, o Athletico entra em campo no próximo domingo para ampliar a marca. Sim, ainda restam objetivos para Furacão de 2019. Sempre restarão.