14.3 C
Curitiba
segunda-feira, 22 abril 2024

Agências do Trabalhador colocaram 17,3 mil pessoas no mercado formal em fevereiro

As Agências do Trabalhador e postos avançados de atendimento no Paraná colocaram 17.336 trabalhadores em empregos com carteira assinada em fevereiro. Com isso, o Estado manteve liderança no ranking nacional de intermediação de contrato de trabalho via Rede Sine (Sistema Nacional do Emprego), sendo responsável por 40% dos 44.725 contratos firmados em todo o País. São Paulo (6.271 contratados) e Mato Grosso do Sul (3.985) aparecem em segundo e terceiro colocados, respectivamente. 

Apenas no primeiro bimestre do ano 33.099 pessoas conseguiram um lugar no mercado de trabalho por meio das Agências do Trabalhador no Paraná. Em comparação ao resultado de janeiro (14.763 ), o avanço em fevereiro foi de 18%. O crescimento é ainda maior se comparado ao resultado do mesmo mês de 2022, com 10.914 encaixes (+59%).

Para o secretário estadual do Trabalho, Qualificação e Renda, Mauro Moraes, o resultado obtido pelo Sine no Paraná em fevereiro confirma o crescimento no número de contratos de trabalho, desempenho que deve levar o Estado a bater um novo recorde de colocados por meio do sistema.

“Com base no resultado dos últimos meses, tudo indica que teremos em março um crescimento surpreendente do número de paranaenses inseridos no mercado por intermédio das Agências do Trabalhador, superando o mês de dezembro de 2023, que registrou 17.926 profissionais encaminhados para vagas, tendo sido o melhor desempenho em dez anos”, comentou.

Em 2023, as Agências do Trabalhador colocaram 154.584 pessoas em empregos formais, o que representa 35% dos 515.181 trabalhadores encaminhados a vagas em todo o Brasil. Com isso, o Paraná ocupou em primeiro lugar no ranking de colocados pela Rede Sine. Este desempenho também foi o melhor na história recente, superando as 122.083 vagas em 2022, até então o melhor resultado.

O Paraná também encerrou o ano passado com saldo de 87.599 empregos formais (diferença entre contratações e demissões), resultado que consolidou o Estado como o maior empregador da região Sul e o quarto maior do País.

Relacionados

EDIÇÃO IMPRESSA Nº 116 | MARÇO/2024

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS