A Secretaria Municipal da Saúde avaliou nesta sexta-feira (20/11) os indicadores que medem a evolução da pandemia da covid-19 em Curitiba. O cálculo da bandeira ficou em 1,85, mantendo a cidade em situação de alerta, ou seja, na bandeira amarela. O Decreto 1570/2020 entra em vigor neste sábado (21/11) e vale por sete dias.

Entre os nove itens usados para o cálculo que define sob qual bandeira a cidade vai funcionar, os de capacidade de atendimento aos doentes (leitos de UTI e de enfermaria) têm o maior peso. Nesta sexta-feira (20/11) o município ativou 94 leitos para atender os pacientes de covid-19.

São 41 leitos de UTI SUS – seis no Hospital Vitória, dez no Hospital do Idoso, dez no Hospital Evangélico Mackenzie, dez no Hospital de Clínicas e cinco na Santa Casa. Os novos leitos de enfermaria estão distribuídos da seguinte maneira: cinco na Santa Casa, dez no Hospital de Clínicas e 38 no Hospital do Idoso.

O prefeito Rafael Greca fez um apelo à rede hospitalar privada e ao SUS metropolitano para que também trabalhem nessa ampliação de leitos, suspendendo as cirurgias eletivas, como fez Curitiba no início desta semana. A capital se antecipou às dificuldades que poderiam surgir com o aumento dos casos de covid-19, que começou a ser registrado.

Atendimento garantido

A ativação imediata de 38 leitos de enfermaria exclusivos para covid-19 no Hospital do Idoso foi possível graças a uma medida rápida que vai garantir o atendimento adequado à população. Desde a tarde desta sexta-feira (20/11) a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Fazendinha passou a ser retaguarda de leitos clínicos para o Hospital do Idoso.

Moradores da região com urgências e emergências de saúde devem buscar atendimento nas UPAs CIC, Pinheirinho e Campo Comprido. Os atendimentos de urgências e emergências odontológicas podem ser feitos na UPA Sítio Cercado das 19h às 23h de segunda a sexta-feira e nos finais de semana das 9 às 18h; e na UPA Boa Vista todos os dias, das 19h às 7h, inclusive aos fins de semana.