Antes mesmo de ser conhecido como Furacão, o Athletico Paranaense já havia recebido outra alcunha: o Time da Raça. Assim foi chamado o Rubro-Negro após um clássico épico em 1933. Assim merece ser chamado nessa incrível temporada de 2019.

Neste sábado (30), no Ceará, mais um capítulo dessa saga foi escrito. Em um jogo que parecia perdido, contra um adversário que jogava sua sobrevivência na Série A, um Furacão reduzido a 10 homens foi buscar o ponto que o coloca, ao menos até amanhã, entre os quatro melhores do Brasileirão.

Sim, o Athletico já tem a vaga na Libertadores garantida desde que conquistou o Brasil, lá em terras gaúchas. Mas quem vê esse time em campo, tem a impressão de que se disputa uma decisão a cada minuto de bola rolando.

No Castelão, o Rubro-Negro entrou em campo diferente, mas com o mesmo espírito de superação de sempre. E em um primeiro tempo igual, Léo Cittadini foi o símbolo da luta do Furacão por cada ponto, por cada posição.

Voltando ao time titular após quatro jogos, Cittadini voltou a sentir. E mesmo lesionado, arriscou uma bomba de fora da área, correu de forma obstinada para marcar a saída de bola e, substituído por Vitinho, chorou de frustração.

Esse é o espírito do Furacão 2019. Já poderia sair de férias, dizem. Mas a vontade de descansar era a última coisa que se via quando se olhava para Robson Bambu e Thiago Heleno dando o sangue para acabar com todas as investidas cearenses.

No segundo tempo, quando Vitinho foi expulso, não deu para resistir. Após seis jogos inteiros sem sofrer um gol sequer, a defesa athleticana teve sua invencibilidade quebrada com o gol de Matheus Gonçalves.

A derrota parecia decretada. Já eram 42’ do segundo tempo, eles tinham um homem a mais, o apoio da torcida, a luta contra o rebaixamento… Mas o Furacão não se entregou. Imediatamente, partiu para o ataque e, aos 48’, foi buscar um escanteio. Camacho bateu, Madson completou de cabeça, na rede!

Um empate que fez o Furacão chegar aos 60 pontos e passar ao menos esta noite e a manhã de domingo no G4. Agora, já são 11 jogos sem perder. E como restam dois para fechar a temporada, seguimos lutando!