A Prefeitura de Curitiba comemora a adesão do cidadão curitibano ao Fala Curitiba 2021. O programa de consultas públicas teve, até agora, a participação de 22.658 pessoas. Para efeito de comparação, a participação no programa é maior do que a capacidade do Estádio Durival Britto e Silva (Vila Capanema), do Paraná Clube, onde cabem 20 mil torcedores.

O total de pessoas que se interessaram e decidiram contribuir é 2,5 vezes maior do que o total de 2017, quando houve a participação de 8,8 mil.

O presidente do Instituto Municipal de Administração Pública, Alexandre Matschinske, acredita que a representatividade no programa está relacionada ao entendimento da população de que aquilo que é votado no Fala Curitiba se transforma em realidade no ano seguinte.

“Nosso objetivo é priorizar as demandas coletivas. As escolhas da população neste ano serão inseridas na Lei Orçamentária Anual (LOA) para execução em 2022”, afirma Matschinske.

Dez prioridades por regional

A grande novidade desta edição é que, em vez de eleger cinco prioridades, cada regional terá dez.

“Esta foi uma decisão do prefeito Rafael Greca tomada há poucos dias e que já vai valer para a votação do Fala Curitiba, que começa no próximo dia 26”, completa o presidente.

Na fase anterior, cada pessoa podia sugerir até cinco demandas por regional. Até aqui, o ranking por área de interesse do cidadão coloca a Saúde em primeiro lugar, seguida por Obras Públicas, Segurança, Educação e Trânsito, mas o resultado pode mudar até a votação final. A lista compreende ainda outros dez temas: Assistência Social, Cultura, Direitos Humanos, Empreendedorismo, Esporte e Lazer, Habitação, Meio Ambiente, Segurança Alimentar e Nutricional, Transporte e Urbanismo.

O total de demandas apresentadas foi de 95.729. Todas elas foram lidas e verificadas pela equipe da Diretoria de Planejamento, Pesquisa e Inovação do Imap em parceria com as administrações regionais e a equipe técnica das secretarias e órgãos que está envolvida com o projeto.

Cerca de 90 servidores estão envolvidos na fase atual, quando são analisadas a competência do Município para o atendimento (se é uma demanda que cabe à Prefeitura de Curitiba), sua viabilidade legal, técnica e financeira.

“O crescimento é impressionante”, analisa a diretora do Imap, Adriane Cristina dos Santos. O total de 2021 é mais de 8,5 vezes o de 2020, quando foram apresentadas 11.245 demandas.

Haverá um conjunto de 100 solicitações que serão incluídas no orçamento para execução em 2022. Elas serão escolhidas entre 300 na votação final.

As respostas àquelas que são situações de rotina, as que não são de responsabilidade da Prefeitura e as que são inviáveis por razões técnicas ou orçamentárias em breve estarão disponíveis no site do Fala Curitiba e em edital fixado nas Ruas da Cidadania. Os cidadãos interessados poderão fazer a consulta.

Fichas em papel

Em 2020, por causa da pandemia pelo novo coronavírus, as contribuições ficaram concentradas na participação pela internet. Em 2021, o Imap buscou uma alternativa para expandir a adesão popular ao programa, já que assim como em 2020, não seria possível realizar as dezenas de reuniões presenciais, como foi feito em 2017, 2018 e 2019.

Foi assim que, além da opção pela internet, o cidadão também ganhou a possibilidade de preencher formulários impressos, que foram entregues pelas administrações regionais nas comunidades por toda a cidade.

“Acredito que esta alternativa incentivou a participação, pois nem todos têm acesso à internet facilmente. A opção do papel trouxe gente que não havia participado antes. E nós queríamos salvaguardar a verdadeira intenção e expectativa do morador de Curitiba”, declara Adriane, que já foi administradora regional. Curitiba tem dez regionais que abrangem os 75 bairros da cidade.

O resultado é que o curitibano aderiu ao modelo e o Imap guarda agora 20.193 fichas preenchidas pelo cidadão em 2021. As participações on-line totalizaram 2,764 mil. Apenas 200 pessoas preferiram utilizar o whatsapp. Todo cidadão pode votar em mais de um canal.

Nesta segunda-feira (19/7) será realizada a 16ª e última reunião, que encerrará um ciclo de aproximadamente 100 horas de análise, classificação das demandas, priorização e organização final da listagem que vai para a votação final. No próximo dia 26 de julho, a população volta a participar, votando para eleger as dez prioridades de cada regional.