19.1 C
Curitiba
quinta-feira, 25 abril 2024

Junho Vermelho: Secretaria de Saúde reforça importância da doação de sangue

Durante todo o mês de junho, a Secretaria de Estado da Saúde chama atenção para a doação de sangue, que é uma ação solidária realizada de forma rápida e segura. Uma única doação é capaz de salvar até quatro vidas. No Paraná, a rede de controle de coleta, armazenamento e atendimento é feita pelo Hemepar, que atende em média cerca de 700 pacientes ao dia.

Considerado um dos mais modernos centros de hematologia e hemoterapia do Brasil, ele tem ganhado notoriedade como um ponto de referência na rastreabilidade de bolsas de sangue. Essa é uma conquista que recebe destaque especial durante este Junho Vermelho, mês de conscientização da importância da doação de sangue.

Isso se dá por conta do sistema Novo SHT, que permite registrar a doação desde o momento inicial, passando pelo serviço hemoterápico, onde o sangue é processado e os hemocomponentes são produzidos, até o ato da transfusão.

Desenvolvido pela Celepar, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde, o Novo SHT possibilita manter maior controle não somente do estoque de sangue, mas armazenar dados e compilar registros detalhados de toda a doação hemoterápica no Estado.

O sistema é inovador porque apresenta uma série de características como link direto com o site da Anvisa para notificações de reação transfusional; acréscimo de informações para evitar homônimos; e uma ferramenta para consulta de doadores impedidos em coletas externas. Outra novidade do sistema é a certificação de doador.

O processo inicial de controle de bolsas começou por meio de planilhas, mas com a evolução dos meios digitais, inúmeras melhorias foram introduzidas. Hoje, ele sistema já possui até rastreabilidade de bolsas de sangue de outros estados, garantindo mais segurança aos processos.

De acordo com o diretor das Unidades Próprias da Sesa, Guilherme Graziani, o Novo SHT coloca o Paraná como pioneiro na rastreabilidade de sangue. “Este é um sistema que vem sendo implementado há cerca de 30 anos, desde o começo dos anos 1990, e recebe atualizações e adaptações para garantir maior viabilidade e agilidade processual. A identificação completa do ciclo sanguíneo é de grande importância e temos orgulho em ser o primeiro estado a realizar a produção destes dados”, destacou.

HEMEPAR – No Paraná, o Hemepar conta com 23 unidades de coleta, armazenamento e distribuição de sangue para 385 hospitais públicos, privados e filantrópicos, além de atender 92,8% dos leitos SUS. Para manter o estoque adequado do banco de sangue são necessárias muitas doações. O ideal é que cada pessoa doe pelo menos duas vezes ao ano.

Os homens podem doar a cada dois meses, quatro vezes ao ano. Já as mulheres, a cada três meses, num máximo de três doações ao ano.

Depois de coletado, o sangue é fracionado e acontece o processo de separação dos hemocomponentes (plasma, hemácias, plaquetas e crio). Após isso, a bolsa fica estocada até o resultado dos exames para a liberação. Por isso, também é importante ressaltar a validade da doação com antecedência, uma vez que, após a coleta, o sangue pode levar até 48 horas para ser liberado.

“A doação é um ato incomparável, moldado pelo altruísmo e que possui um único propósito: salvar vidas. Por isso, poder reforçar a estrutura dos serviços hemoterápicos no Estado é de grande valia, tendo em vista que não existe substituto para o sangue”, afirma o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

Relacionados

EDIÇÃO IMPRESSA Nº 117 | ABRIL/2024

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS