Nada contra, nem a favor. Apenas considerações. Há muitas datas festivas neste mês de outubro, mas destaco duas delas que movimentam o cenário mundial em suas celebrações: yom kipur e halloween. A primeira refere-se originariamente ao arrependimento e ao perdão, especificamente em relação ao povo judeu, que sabia o Deus que os conduzia e como muitas vezes desobedeceram ao seu Senhor. Embora seja uma data importante para este povo, vejo a importância do arrependimento e do perdão para todos nós.

Biblicamente, o homem vem errando ao longo da sua história (mesmo quem não lê ou não acredita na Bíblia sabe, historicamente, quantos erros humanos já foram cometidos!). O erro faz parte do homem imperfeito, decaído do seu caráter, cego pela mentira, afastado da Luz. Muitos erram por ignorância, não conhecem a Verdade; outros, por serem iludidos por falsos mestres, que pela ignorância ou pela ganância orientam a muitos no caminho do erro. Porém há alguns que erram por prazer, fazem o que é ilícito por pensarem que estão acima da Lei, que são imunes às penas; pensam ser melhores do que o próximo, por terem mais, seja dinheiro ou poder. E cada vez mais o homem comete enganos, pois há uma permissividade em relação a isso, posto que a verdade agora é relativa.

Embora haja um dia em que é festejado o dia do arrependimento e do perdão, é necessário estendê-lo pelos outros 364 dias! Mas não é fácil praticar a humildade o ano todo, todos os anos! Contudo isso é ser justo. Reconhecer os erros e arrepender-se faz parte de um caráter íntegro, justo, digno, humilde. Arrepender-se, prova de reconhecimento do seu erro, sempre foi muito humilhante para o homem. Na criação, Eva colocou a culpa na serpente; Adão, em Eva. E até hoje alguém leva a culpa, e se sou culpado, foi por causa de… Deus nos concede que nos arrependamos diante d’Ele (Atos 11:18) e isso é misericórdia. Ora, arrependido, como é bom ser perdoado! Porém liberar perdão também nem sempre é fácil. Ah, coração, que duro você é! Lembre-se de que seremos perdoados se perdoarmos, assim diz a Palavra do Senhor (Mateus 6:12). Se Deus me concede tal graça, quem sou eu para reter o perdão? Retendo-o, não libero o poder que Deus me dá de ser benevolente.

Essa data, então, deve lembrar a todos nós, gentios e judeus, da necessidade de reconhecer que somos falhos, não somos imunes aos desvios de conduta, às falhas humanas, todavia se nos reconhecemos pecadores, somos perdoados! E isso não tem valor que se pague, pois é dádiva de Deus! Seja nosso Yom Kipur um hábito diário para que vivamos em sintonia com Aquele que já nos perdoou! E onde Deus está não há morte, não há treva, não há bruxa! Puxa! Vamos ficar por aqui, na Luz, que é Jesus!