A primeira etapa foi de domínio do Operário. Pressionando a saída de bola do Furacão, o time visitante conseguia controlar as ações e chegar com perigo ao ataque.

O Athletico só conseguiu as primeiras finalizações aos 30′, em dois chutes de Khellven que assustaram o goleiro Simão. E teve sua melhor chance aos 41′, em um chute de fora da área de Kawan, que passou perto do gol.

Mas os últimos minutos foram de mais pressão do Operário, que não abriu o placar graças a uma grande defesa de Bento aos 46′, em cabeçada de Ricardo Bueno.

O Rubro-Negro voltou do intervalo sem alterações, mas com outra postura. Logo no primeiro minuto, Jáderson bateu falta e o goleiro rebateu. Mingoti pegou rebote e bateu para fora. E aos 2′, Yago fez boa jogada e bateu forte, exigindo boa defesa de Simão.

Porém, o Operário conseguiu chegar ao gol aos 12′, com Felipe Garcia, esfriando a reação athleticana. E ainda ampliou a contagem aos 21′, com Ricardo Bueno.

A partir daí, o Athletico não se encontrou mais em campo. O adversário seguiu controlando o jogo e conseguiu ampliar o placar aos 40′, com Felipe Garcia, e aos 46′, com Leandrinho batendo pênalti.