Como qualquer clássico, o jogo começou “pegado”. O time visitante chutou primeiro, com Rodrigão, sem perigo.

A primeira grande chance foi do Furacão. Jáderson fez um ótimo passe para Marquinho, na entrada da área. Ele dominou e bateu na saída de Muralha, que fez grande defesa.

Aos 16’, Vitinho tocou para Bergson, que dominou e emendou de primeira, de fora da área. O goleiro defendeu no canto.

Bergson tentou de novo aos 24’. Ele recebeu pela direita e finalizou de fora da área. Muralha ficou com ela.

Furacão busca o empate até o final

A segunda etapa não mudou o perfil da partida. A primeira chance do Rubro-Negro foi aos oito minutos, com Lucas Halter. Ele subiu bem após cobrança de escanteio, mas a cabeçada foi para fora.

No minuto seguinte, o jogador coxa-branca tentou o cruzamento e a bola tomou o caminho do gol. Léo estava esperto, deu um tapa na bola, que tocou na trave.

Aos dez minutos, a arbitragem apareceu pela primeira vez e prejudicou o Furacão. Bergson recebeu lançamento, fez o drible dentro da área e foi derrubado. Nilo Neves de Souza mandou seguir.

Cinco minutos depois, o camisa 9 recebeu de Cittadini e mandou a bomba de fora da área. A bola passou muito perto, raspando a trave direita.

Aos 27’, o time visitante abriu o placar com Wellinton Júnior.

A piazada não desanimou e partiu para cima. E a recompensa veio já no finalzinho. Aos 43’, Poveda fez a finta com o corpo na marcação, avançou e cruzou. Marquinho dominou no meio da área e estufou as redes para empatar!

Com a igualdade no tempo normal, a partida foi para os pênaltis. A decisão foi longa, precisou ir para as cobranças alternadas. Mas, no final, deu Furacão! 7 a 6 nas penalidades. Athletico Paranaense campeão da Taça Dirceu Krüger!