Uma história inacreditável de piratas e tesouros escondidos por séculos, o filme O Legado do Pirata Zulmiro estreia nesta quarta-feira (9/3) na Cinemateca de Curitiba. O filme, que será exibido em três sessões (às 19h, 20h e 21h), com entrada gratuita, trata de uma das figuras lendárias da cidade: Zulmiro, um pirata irlandês que teria vivido em Curitiba e escondido um valioso tesouro.

Produzido no formato de documentário, o filme é em grande parte baseado no livro A Verdadeira Ilha do Tesouro: As Crônicas do Pirata Zulmiro, escrito em 2019 por Marcos Juliano Ofenbock, que passou 15 anos pesquisando a vida do pirata, reunindo uma extensa quantidade de documentos que comprovariam a existência do personagem.

A história

Segundo Marcos, que é também produtor e narrador do filme, Zulmiro teria nascido em 1799 em Cork, na Irlanda, com o nome de Francis Hodder, e morrido em Curitiba em 1889, sendo sepultado no Cemitério Municipal com o nome de João Francisco Inglez, aos 90 anos de idade.

Enquanto morava em Curitiba, onde hoje é o bairro do Pilarzinho, Hodder teria sido visitado por um inglês chamado Edward Young, a quem contou toda a sua história. Anos mais tarde, depois da morte do ex-pirata, Young passou a publicar a história de Zulmiro em uma série de cartas ao Jornal do Brasil.

Filho de uma família nobre inglesa, Hodder teria fugido para a América após acidentalmente matar um oficial superior na Marinha Real Britânica, se tornando então parte da tripulação de um navio negreiro, se amotinando, e virando um pirata com nome de Zulmiro. Por volta de 1830, ele fugiu para Curitiba, onde viveu até a sua morte.

Pirata de Curitiba

O diretor do filme, Estevan Silveira, já estava interessado em fazer algum filme baseado na história de Zulmiro, mas foi quando leu o livro de Marcos Juliano que decidiu como. “Quando li o livro me decidi pelo formato que a gente iria fazer, como iríamos contar essa história”, explica Silveira.

Além de reunir documentos e recortes de jornais, o documentário traz também entrevistas inéditas com os bisnetos de Edward Young, que moram em Santos (SP), e os tataranetos de Zulmiro, que hoje residem no município de Campo Mourão, interior do Paraná.

Outros colaboradores são os netos do professor Frederico da Silva Ramos, que comandou a primeira expedição à Ilha da Trindade, onde Zulmiro e seu bando teriam enterrado um grande tesouro; Adam Patterson, cônsul honorário do Reino Unido no Paraná; e o prefeito de Curitiba, Rafael Greca.

O diretor ressalta como as informações contidas no documentário transformam aquilo que, originalmente, era apenas uma lenda urbana da cidade, em algo mais sólido e real. “Esta é uma lenda que se torna realidade e que coloca Curitiba no epicentro de uma das maiores histórias de piratas do mundo”, concorda Ofenbock.

Em maio, o filme será exibido no Consulado Geral do Reino Unido em São Paulo, legendado em inglês, e será disponibilizado na íntegra no YouTube, logo depois da exibição na Cinemateca.

Serviço: O Legado do Pirata Zulmiro

Data: quarta-feira (9/3), às 19h, 20h e 21h
Local: Cinemateca de Curitiba (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1.174 – São Francisco)
Entrada de graça, por ordem de chegada