19.4 C
Curitiba
sábado, 18 maio 2024

Escolas de Curitiba desenvolvem ações para conscientizar estudantes sobre o Bullying

As escolas e Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs) de Curitiba desenvolvem diversas ações de conscientização para evitar o bullying e promover o respeito entre crianças e estudantes. Para marcar este 20 de outubro, dia mundial de combate ao bullying, a rede municipal de ensino realiza, nesta quinta-feira (20/10), o Seminário do Programa Curitibinhas na Inclusão, Bullying Não!, com palestras sobre o tema e apresentações de boas práticas nas unidades educacionais.

A abertura o seminário, na Universidade Livre do Professor (CIC), contou com a presença do prefeito em exercício, Eduardo Pimentel, e da secretária municipal da Educação, Maria Sílvia Bacila.

“Temos que reconhecer a importância de prevenir essa prática, por isso as escolas tem mediadores preparados para reconhecer o orientar casos assim”, destacou Pimentel.


O programa Curitibinhas na Inclusão, Bullying Não!, lançado em outubro de 2019, reúne material próprio e busca sensibilizar os estudantes da rede por meio da reflexão e da execução de medidas educativas. Também desperta nos estudantes e profissionais da Educação um olhar mais sensível para identificar traços de possíveis agressões, contribuindo para a prevenção. 

A secretária da Educação afirmou que é necessário refletir sobreas motivações e consequências do bullying.

“Todos os dias devemos pensar em como podemos melhorar como pessoas. Às vezes uma criança age com agressividade porque está imitando um adulto, então precisamos oferecer um repertório positivo, experiências positivas”, comentou Maria Sílvia.

 O evento contou ainda com uma palestra do professor Cloves Amorim, da PUC-PR, padrinho do projeto. O professor explicou que a prevenção ao bullying precisa ser uma prática coletiva e institucional, e não apenas ações pontuais. “Tem que ser um compromisso de todos”, disse.

Boas práticas 

A mascote do programa é a gralha azul, que recebeu o nome de Sementinha, sugerido por meio de um concurso entre escolas e CMEIs.

“Ela vem semeando valores importantes ao convívio social como respeito, equidade, bondade, empatia, tolerância, esperança, amizade, acolhimento entre outras virtudes importantes”, explicou a diretora do Departamento de Inclusão e Atendimento Educacional Especializado, Gislaine Coimbra Budel.

Na ULP estão expostos os trabalhos de dezenas de unidades escolares com as ações relativas ao tema. Na escola Leonel Moro (Pinheirinho), por exemplo, as turmas do pré trabalharam com os com os sentimentos: alegria, mágoa, tristeza, desejos, para saber identifica-los e lidar com eles. No CMEI Solitude (Cajuru), as crianças abordaram ações de gentileza, como pedir licença, ter paciência, sorrir, agradecer.

O programa conta com materiais informativos como panfletos orientadores, e-book com sugestões de jogos e músicas, que de forma lúdica tratam condutas contra o bullying na dinâmica escolar.

Relacionados

EDIÇÃO IMPRESSA Nº 117 | ABRIL/2024

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS