Atletas e paratletas beneficiados pela Lei Municipal de Incentivo ao Esporte terão um repasse total de recursos no valor de R$ 3.147.516,98, em 2016, o que representa uma evolução de 19,5% em relação ao repasse de 2015. Serão beneficiados este ano 360 projetos, de 29 modalidades esportivas. Os recursos são provenientes de descontos do IPTU de 75 entidades incentivadoras.

O valor do IPTU apurado chegou a R$ 9.442.550,92. Deste montante, de acordo com a lei, 66,66% são deduzidos e os 33,33% restantes são destinados ao incentivo ao esporte.

A Lei Municipal de Incentivo ao Esporte prevê a captação de recursos do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU), que são investidos diretamente em projetos esportivos. Implantada em 2002, a Lei já beneficiou atletas, paratletas, profissionais em Educação Física no segmento educação e entidades de diversas modalidades esportivas.

Podem se candidatar a incentivadores do esporte, entidades civis sem fins lucrativos, tais como federações, associações, conselhos, confederações, sindicatos, institutos, ONG’s, fundações e clubes sociais.

O gerenciamento da Lei de Incentivo é feito pela Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude, por meio do Departamento de Incentivo ao Esporte.

A política de atendimento visa incentivar atletas, paratletas, técnicos esportivos e paradesportivos, assim como entidades sem fins lucrativos de natureza esportiva. Entre os atletas incentivados destacam-se alguns com participação olímpica, como o esgrimista Athos Schwantes, a tenista Teliana Pereira, top 100 do ranking mundial feminino de Tênis de Campo, campeã do WTA de Bogotá, no ano passado, título que uma brasileira não conquistava há 27 anos.

A lei também atende novas promessas do esporte como o esgrimista Alexandre Camargo, a ginasta Barbara Domingos, o judoca Luanh Saboya e a nadadora Rafaela Raurich.

Rafaela, de 15 anos, compete pelo Clube Curitibano, e é beneficiária da lei há cerca de um ano. Apesar da pouca idade, a atleta já é considerada uma das mais promissoras nadadoras brasileiras. É campeã brasileira de nado livre, em todas as modalidades (100, 200, 400 e 800 metros) e recentemente ficou em oitavo lugar no Mundial Júnior, disputado em Cingapura.

“Os recursos da Lei do Incentivo ajudam bastante, apesar de ela nadar em clube que dá todo o apoio. Os gastos para manter um atleta de alto rendimento são grandes”, diz Adriane Trevisan Haurich, mãe e principal incentivadora da nadadora.

Desde 2014, a Lei atende técnicos e atletas com projetos da categoria “Juventude” que representam Curitiba nos Jogos da Juventude do Paraná. Em 2016 são 65 projetos atendidos em dez modalidades.

No paradesporto a Lei beneficia paratletas, entidades e técnicos, atendendo dez modalidades, tendo como destaque um dos destaques o paratleta de tênis de mesa Claudiomiro Segatto, tri campeão pan-americano e classificado para as Paralímpiadas do Rio em 2016. Segatto revela que conta com o incentivo desde que a Lei foi criada, em 2002.

“A Lei de Incentivo ao Esporte foi fundamental para mim, principalmente no início da minha carreira. Nós do paradesporto não temos outras formas de patrocínio, por isso este tipo de incentivo é muito importante. Hoje consigo manter minha carreira, graças a estes recursos”, afirma.

Outro destaque é o paratleta Richardson Rocha, da modalidade bocha, que foi campeão Pan-americano em Toronto 2015.

Dentre as novas promessas do paradesporto, aparece o nadador Ronan Nunes Cordeiro, de 18 anos, que participou do evento teste do Open Internacional de natação realizado no Rio de Janeiro no mês de abril.

 

Incentivo ao esporte 2016

Valor do IPTU apurado – R$ 9.442.550,92

Valor destinado ao incentivo (33,33%) –  R$ 3.147.516,98

Histórico dos últimos 4 anos

Ano     Valor do IPTU R$     Valor do incentivo

2013 –   R$ 4.967.793,52         R$ 1.655.931,17

2014 –   R$ 5.234.203,65         R$ 1.744.734,54

2015 –   R$ 7.895.182,73         R$ 2.631.727,46

2016 –  R$ 9.442.550,92          R$ 3.147.516,98