24.9 C
Curitiba
quinta-feira, 22 fevereiro 2024

Risco de acidentes com aranha-marrom aumenta nos meses mais quentes

Com maior número de casos de acidentes com a aranha-marrom nos meses mais quentes do ano, a Secretaria Municipal da Saúde (SMS) de Curitiba chama a atenção da população para se manter alerta quanto à presença do aracnídeo em casa e quintais e prevenir acidentes.

“A aranha marrom não é agressiva, geralmente ela pica quando é comprimida contra o corpo, quando a pessoa coloca uma roupa ou um sapato sem uso há muito tempo e onde o animal se alojou”, explica o diretor do Centro de Epidemiologia da SMS, Alcides de Oliveira.

Segundo ele, quando acontece o acidente, é essencial que a pessoa procure atendimento em uma Unidade de Saúde, que está preparada para iniciar o tratamento e evitar que o caso se agrave.

“Cerca de 85% dos acidentes são leves e tratados com antialérgicos ou corticoides. Em poucas situações, as mais graves, será necessário o soro antiaracnídico”, diz Alcides, ressaltando que as equipes de saúde municipais estão preparadas para identificar o grau de gravidade e iniciar a medicação indicada para cada caso.

Características

A aranha-marrom mede de 3 a 4 cm, tem pernas longas e finas, e seu abdome é arredondado. Ela habita locais escuros, quentes e secos. Pode ser facilmente encontrada em residências, principalmente em armários, atrás de quadros e em objetos que têm pouco manuseio na casa.

Ela também costuma se esconder em telhas, tijolos, madeiras, atrás ou embaixo de móveis, quadros, rodapés, caixas ou objetos armazenados em depósitos, garagens, porões, e outros ambientes com pouca iluminação e movimentação.

Acidentes

De início, a picada da aranha-marrom não dói e os sintomas começam a aparecer depois de 6 horas, podendo evoluir para casos mais graves em 72 horas.

“O ardor no local, seguido de inchaço e vermelhidão, são os indicativos mais fortes de que você foi picado por uma aranha-marrom”, alerta o médico da SMS. “Se não houver tratamento, pode evoluir para uma lesão que leva muito tempo para cicatrizar, exigindo, às vezes, até um enxerto de pele”.

Alcides ressalta que somente cerca de 3% a 5% dos acidentes evoluem para casos graves, em que a lesão na pele evolui para a necrose (morte do tecido que forma a pele). “Independentemente da gravidade, os sintomas iniciais são sempre os mesmos”, diz.

Números

Curitiba e região metropolitana são os locais com maior ocorrência da aranha-marrom no Brasil. Em Curitiba, os casos confirmados de acidentes com o aracnídeo têm diminuído ao longo dos anos, com o aumento da atenção dos moradores na prevenção e da capacitação dos profissionais de saúde no atendimento.

Enquanto nas primeiras décadas dos anos 2000 a média de acidentes foi de 3,1 mil casos registrados por ano na cidade, em 2022 foram 754.

Em 2020, com a pandemia da covid-19 e maior tempo de permanência das pessoas em casa, Curitiba registrou o menor número de acidentes com aranha-marrom da série histórica: 472 casos.

Em 2023, de janeiro a novembro, foram registrados 708 casos de acidentes com aranhas-marrom em Curitiba (dados preliminares).

O que fazer

  • Aos primeiros sinais da picada, a pessoa deve lavar bem o local do ferimento e procurar atendimento numa Unidade de Saúde e, se possível, levar junto a aranha para a identificação, auxiliando assim o diagnóstico.
  • A Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba tem protocolo específico para identificar os casos e aplicação dos procedimentos e as 109 unidade de saúde estão preparadas para fazer o atendimento dessas situações.
  • Quanto antes for feito o diagnóstico, melhor vai ser a evolução do quadro, com a medicação adequada, lembrando que somente os casos classificados como graves e com evolução de até 36 horas têm indicação da utilização do soro antiaracnídico.

O que não fazer

  • É importante não manusear nem espremer a lesão.
  • A pessoa picada pela arranha-marrom também deve evitar praticar atividades físicas, não se expor ao sol, banhos quentes ou outra forma de exposição ao calor.
  • Também não deve aplicar nenhum tipo de remédio ou produtos caseiros sem indicação médica, pois a lesão pode infeccionar, agravando ainda mais o caso e prolongando o período de recuperação.

Os acidentes com a aranha-marrom aumentam nos meses mais quentes do ano, mas podem ser facilmente evitados com medidas de limpeza e prevenção, confira as principais delas:

  1. Limpeza é a regra de ouro, com uso de pano e aspirador de pó atrás de móveis e quadros das paredes.
  2. A maioria das picadas ocorrem à noite, quando as aranhas saem de seus “esconderijos” em busca de alimento (insetos). Elas atacam os humanos ao se defenderem de algum contato acidental quando estavam escondidas entre roupas, nos calçados, roupas de cama. Por isso, é importante sacudir roupas e calçados antes de usá-los.
  3. Mantenha a residência bem arejada e evite o acúmulo de qualquer material nos quintais de casa.
  4. No ambiente externo, a localização mais frequente é em meio a telhas, materiais de construção e restos de madeira.
  5. Bloqueie o acesso da aranha ao interior da casa, colocando lâminas de borracha na parte inferior das portas.
  6. Não utilize venenos.
  7. A presença de lagartixas é bem-vinda nas residências: são predadoras naturais das aranhas e não fazem mal aos seres humanos.
  8. Examinar bem as roupas antes de vestir e calçados antes de calçar, principalmente aqueles que estavam guardados há bastante tempo.
  9. Se for abrir cômodos ou armários há muito tempo fechados, faça uma boa inspeção antes de tocar nos objetos, se possível use luvas de borracha e calçados fechados.
  10. Tampe todos os buracos vazios das paredes e forros, bem como rodapés e cantoneiras.

Relacionados

EDIÇÃO IMPRESSA Nº 114 | JANEIRO/2024

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS