Em Curitiba, o atendimento nas unidades de saúde do município segue um fluxo único para garantir que os pacientes com suspeita das doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti sejam acompanhados durante todo o tratamento. Os pacientes atendidos com suspeita de dengue, chikungunya e zika recebem um cartão de acompanhamento.

O objetivo desse documento é reunir as informações sobre o estado de saúde da pessoa, os exames realizados e seus resultados, além das recomendações de como proceder depois do primeiro atendimento. O cartão deve ser apresentado em qualquer serviço de saúde que o paciente procurar.

Uma das principais portas de entrada desses pacientes é a Unidade de Pronto Atendimento (UPA). São nove em funcionamento na cidade.

Quem chega nas UPAs com mal-estar e febre pode ser considerado um possível paciente com dengue. Os profissionais da unidade fazem todas as avaliações necessárias. É coletado sangue para a realização do teste rápido no Laboratório Municipal e, caso o médico avalie ser necessário, também é feito o hemograma, que fica pronto no prazo médio de 3 a 4 horas.

O teste rápido para a dengue tem prazo de 48 horas para ficar pronto. A amostra de sangue segue, ainda, para o Laboratório Central do Estado do Paraná (Lacen), para ampliar a investigação para chikungunya e zika.

A coordenadora geral da UPA Boqueirão, Jacyrene Zacarias, explica que o paciente também é medicado. É necessário prescrever nesse momento um remédio para a dor, para controlar a temperatura e hidratar, já que a febre alta provoca desidratação. O paciente ainda é orientado a usar repelente e se proteger do mosquito para evitar a transmissão da doença.

Acompanhamento

Da UPA, a pessoa é encaminhada para a sua unidade de saúde. É lá que vai ser feito todo o acompanhamento. Denise Rebello da Cunha, apoio administrativo na Unidade de Saúde Vila Hauer, explica que nos primeiros sete dias depois do aparecimento dos sintomas é preciso verificar a pressão arterial e a temperatura diariamente. O comportamento desses indicadores vai mostrar como está evoluindo a doença.

O paciente também precisa ficar atento para os sinais que indicam a necessidade de procurar atendimento médico rapidamente. Eles estão relacionados no cartão de acompanhamento: diminuição repentina da febre; dor muito forte e contínua na barriga; vômitos frequentes; sangramento de nariz e boca; hemorragias importantes; diminuição do volume da urina; tontura quando muda de posição; dificuldade de respirar; agitação ou muita sonolência e suor frio.

Denise reforça a importância de o paciente procurar a unidade de saúde, mesmo que se sinta melhor depois do primeiro atendimento na UPA. Caso ele não faça isso, a equipe vai em busca da pessoa. Todos os dias as unidades recebem uma lista dos pacientes atendidos nas UPAs com suspeita das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Aí começa a busca por eles para garantir que tenham o acompanhamento necessário.