Não daremos desculpas. Mais uma vez, o Athletico entrou em campo de peito aberto. Fomos em busca do título. Mas não teve como parar o Flamengo. A Supercopa do Brasil ficou com o time que tem os maiores recursos do país no momento.

Mas não pensem que vamos nos conformar. Da sua maneira, dentro de sua realidade, o Furacão vai continuar a luta por um lugar entre os melhores do nosso futebol. Temos muito a melhorar, muito a evoluir, mas não temos tememos o desafio.

Apesar do resultado, o jogo deste domingo (16), em Brasília, mostrou isso. Sofremos com a pressão do Flamengo e tivemos erros que foram fatais. Mas mesmo perdendo por dois gols, o nosso Rubro-Negro não desistiu.

A história poderia ter sido outra se aquela cobrança de Marquinhos Gabriel fosse alguns centímetros mais pra baixo. Se Erick tivesse conseguido desviar aquele cruzamento de Rony…

Erick foi a cara do Furacão. Com toda sua juventude, encarou a missão de ser titular na decisão. Jogou de meia, de volante, de lateral… E apareceu no ataque para finalizar. No segundo tempo, foram mais duas cabeçadas que poderiam ter colocado o Athletico em situação melhor.

Mas o dia era mesmo deles. E com Bruno Henrique, Gabriel e Arrascaeta, o Flamengo chegou ao terceiro gol. Nem assim o Athletico desistiu. Como mostrou o lance em que Bissoli tentou de letra e, na sobra, mandou uma bomba no travessão.

Enquanto o Flamengo ia tirando craques do campo e colocando outros craques do banco, o Furacão continuava lutando. Do nosso jeito. Não importa o desafio.

Assim, seguimos lutando. Podem até nos vencer, mas não vão nos nocautear. Seguiremos em pé. E sem medo.

Rubro-negro é quem tem raça.