Com raça e emoção, o Paraná Clube manteve aproveitamento máximo na Vila Capanema. Pior para o Atlético, que perdeu o jogo, a invencibilidade e viu a galera tricolor fazer a festa. O 1×0 garantiu ao time de Claudinei Oliveira a liderança isolada do Paranaense e uma boa vantagem para os seus principais rivais. “Dá orgulho de ver esse time em campo. Quando não dá na técnica, resolvemos na superação. É esse espírito que faz um time vencedor”, afirmou o treinador paranista. “Seguimos com a mesma política pés no chão, mas satisfeito com tudo o que está acontecendo no Paraná”.

O Tricolor começou o jogo impondo o seu ritmo de jogo e tendo em Nadson o seu principal jogador. Logo aos 8 minutos, Nadson “fez fila” e tocou para Válber. O tiro foi forte e fez Weverton trabalhar. O jogo, porém, era de poucas oportunidades. No final, mais uma vez Nadson deu uma grande arrancada, mas o chute saiu à esquerda da meta atleticana. No intervalo, Claudinei reorganizou o time e com nova postura, o Paraná partiu pra cima do adversário. E, na pressão, o gol saiu aos 3 minutos.

Depois de uma troca de passes entre todos os atacantes, Robson ainda deixou o zagueiro sentado e mandou pra rede: 1×0, pra explosão da massa tricolor. Aproveitando o bom momento, o Paraná esteve perto de ampliar com Robson e Nei. Mas, aos 10 minutos, o cenário se alterou. O árbitro foi rigoroso ao expulsar Zé Roberto e, com um jogador a menos, o Paraná teve que mudar de estratégia. Claudinei recompôs a zaga com o garoto Basso e o Tricolor passou a jogar no contra-ataque. Chances surgiram, mas o principal destaque foi a eficiência defensiva. Bem postado, o time transbordou raça e deixou o campo aplaudido pelo seu torcedor. “Foi incrível. A festa da torcida, que deu show, contagiou a todos. Jogamos pelo Zé (Roberto, que havia sido expulso) e por esta galera”, finalizou o lateral Nei.

Fonte: Site oficial do Paraná Clube