26 C
Curitiba
terça-feira, 16 abril 2024

Curitiba atenta: identificar sintomas da dengue facilita diagnóstico precoce

O cenário de alta de casos reforça a necessidade de atenção aos sintomas característicos da dengue. A identificação dos sinais faz a diferença para o diagnóstico precoce, importante para o tratamento adequado.

Febre alta, com duração de dois a sete dias, pode ser um indício da doença se estiver associada a outros sintomas, como náuseas ou vômitos, manchas vermelhas no corpo, dor no corpo e articulações, dor de cabeça ou dor atrás dos olhos, mal-estar e falta de apetite.

Como esses sintomas podem, eventualmente, ser confundidos com os de outras doenças, um dado é considerado fundamental na hora de relatar o problema de saúde para uma autoridade médica.

“A pessoa com sintomas se ajuda e nos ajuda quando informa que esteve em uma região onde há casos de dengue. Isso antecipa o diagnóstico e o tratamento, além de permitir o bloqueio sanitário no perímetro onde mora”, afirma o diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), Alcides Oliveira.

Quando os sintomas são leves, o curitibano pode procurar atendimento pela Central Saúde Já pelo telefone 3350-9000. Se necessário, poderá ser feita consulta médica por vídeo via aplicativo Saúde Já Curitiba.

No caso de situações mais complexas, a recomendação é procurar sua unidade de referência ou uma UPA da cidade.

A partir da suspeita do diagnóstico de dengue, a equipe de saúde vai indicar o tratamento adequado e o acompanhamento do paciente.

Segundo Oliveira, a hidratação intensa é o principal tratamento para a dengue, mas é preciso atenção para o agravamento do quadro.

“No quinto dia de sintomas, se houver algum sinal de alarme, como náuseas ou vômito, além da febre persistente e dor intensa de cabeça, é preciso buscar um serviço de saúde”, orienta.

A recomendação de ficar atento a uma possível piora no estado de saúde a partir do quinto dia vale para todos os públicos, mesmo jovens adultos ou sem comorbidades.

Bloqueio

As equipes de vigilância ambiental serão responsáveis pelo “bloqueio”, que é uma vistoria na região onde a pessoa mora para verificar se há focos do mosquito transmissor e se há mais casos suspeitos de dengue.

Outro alerta importante para quem contraiu a doença, seja em viagem ou na cidade, é o uso de repelentes durante os primeiros sete dias de sintomas, o chamado “período agudo” da dengue.

O uso de repelentes nesse período visa afastar o risco de contaminação dos mosquitos e retransmissão da dengue na região onde a pessoa vive.

A orientação da SMS é para que todo caso suspeito seja notificado e acompanhado para evitar o agravamento.

Relacionados

EDIÇÃO IMPRESSA Nº 116 | MARÇO/2024

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS