15.9 C
Curitiba
sexta-feira, 14 junho 2024

Curitiba começa a testar ônibus elétricos da BYD na próxima sexta-feira

Curitiba inicia, na próxima sexta-feira (28/4), testes com um ônibus elétrico da chinesa BYD no transporte coletivo. O modelo articulado vai circular, sem passageiros, pelas rotas das linhas Interbairros II, Inter 2 e no Eixo Leste/Oeste.

A avaliação marca o início da série de testes técnicos com veículos elétricos que vão servir de base para o plano de eletromobilidade do município. O teste terá duração de 30 dias, podendo ser prorrogado por um período de até 30 dias.

O edital de chamamento público já conta com seis empresas cadastradas – além da BYD, Eletra, Volvo, Mercedes, Higer e Marcopolo farão testes – e oito veículos que serão testados até outubro.

Os resultados dos testes servirão de base para a elaboração do edital de compra dos primeiros ônibus elétricos que farão parte da frota municipal de ônibus, em 2024. Os ônibus elétricos vão trafegar nas linhas Inter II, Interbairros 2 e Eixo Leste Oeste, que transportam cerca de 370 mil pessoas por dia.

Sem emissão de CO2 e ruídos, o ônibus elétrico é considerado o futuro da mobilidade nas grandes cidades e é uma das principais agendas do município para os próximos anos, dentro do compromisso de reduzir a emissão de poluentes.

No médio prazo, até 2030, 33% da frota de ônibus de Curitiba deverá operar com emissão zero; alcançando 100% até 2050, como parte do Plano de Ação Climática (PlanClima), alinhado às ações globais de sustentabilidade.

“O futuro do transporte coletivo é elétrico. Vamos iniciar os testes e criar nosso programa de aquisições de ônibus elétricos para as linhas Inter II, o Interbairros II e o eixo Leste-Oeste”, diz o prefeito Rafael Greca.

“Estamos iniciando o processo de migração para a matriz elétrica, não poluente. Trata-se de uma tecnologia nova, que precisa ser avaliada dentro da realidade do transporte coletivo. O teste técnico é muito importante para medir qual é a performance dos diversos modelos elétricos, mapear resultados e ainda verificar possíveis desafios”, diz Ogeny Pedro Maia Neto, presidente da Urbanização de Curitiba (Urbs), que gerencia do transporte coletivo de Curitiba.

Sem passageiros

O ônibus BYD vai circular sem passageiros porque o posicionamento das suas portas de embarque é do lado esquerdo e não direito, como pede a operação no transporte coletivo. “Se for aprovado nos testes, no entanto, o ônibus terá que ser produzido dentro das especificações do município”, acrescenta Celso Lucio, gestor da área de especificação e inspeção de frota da Urbs.

Para simular o peso equivalente ao de passageiros, o veículo vai ser carregado com bombonas de água. O modelo D11B é um ônibus articulado, de piso baixo, tem carroceria Marcopolo, capacidade para 170 passageiros, autonomia de 250 quilômetros e carregamento de bateria em quatro horas. As baterias do veículo serão carragadas no período noturno na garagem da empresa Glória. Ao todo, doze motoristas, dois quais duas mulheres, serão treinados para dirigir o ônibus da BYD durante o período de testes.

A BYD está no Brasil desde 2015, quando inaugurou sua primeira fábrica de montagem de ônibus 100% elétricos, em Campinas (SP).

Segundo a empresa, cada ônibus elétrico BYD evita, em média, a emissão de 118,7 toneladas de CO2 ao ano na atmosfera, o equivalente ao plantio de 847 árvores por veículo (considerando 72mil km rodados/ano).

A ideia é avaliar a performance do ônibus em diferentes características e condições viárias, com a variação de carga a partir do carregamento das bombonas com mais ou menos água por determinados períodos. Na circulação do carro serão avaliados itens como o consumo de energia, cumprimento da autonomia preconizada, níveis de ruídos e o desempenho do ônibus em variadas topografias (aclives, declives e plano).

“A fase de testes é uma etapa importante do Programa de Mobilidade Sustentável de Curitiba, que começou em 2018, e que vem avançando com o apoio de instituições como o  Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do New Development Bank (NDB), que são financiadoras dos projetos do Inter II e Interbairros II e do eixo Leste Oeste, e do TUMI e-Bus mission onde contamos com suporte do WRI Brasil e do C40, diz Ana Cristina Jayme, assessora de investimentos do Instituto Paranaense de Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc).

Outros testes

Em setembro do ano passado, outra montadora chinesa, a Higer, fez uma demonstração do seu ônibus elétrico em cinco linhas do transporte coletivo de Curitiba. Na ocasião, 3.923 pessoas utilizaram o veículo. 

A Higer deve voltar a fazer testes nesse ano, dessa vez já dentro do edital de chamamento público para avaliação técnica.

O propósito de Curitiba de reduzir emissão de poluentes inclui ainda testes com ônibus a gás natural. Desde a última segunda-feira (17/4), um veículo a gás natural da Scania está circulando na linha Cabral/Portão. Os testes vão durar 30 dias.

Relacionados

EDIÇÃO IMPRESSA Nº 118 | MAIO/2024

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS