12 C
Curitiba
terça-feira, 16 julho 2024

De piscina de plástico a sutiã: equipes da Prefeitura de Curitiba removem toneladas de entulhos dos rios

Tapete, cobertor, dois colchões de mola, piscina inflável e até um sutiã. Embora pareçam pertencer a uma loja de departamentos, os objetos estão entre os retirados na última semana das águas do Rio Vila Formosa, na Vila Estrela, no bairro Fazendinha. Das margens, foram recolhidos pneus, telhas, materiais plásticos e aproximadamente 500 kg de entulhos.

O trabalho foi feito manualmente por uma equipe coordenada pelo Departamento de Pontes e Drenagem, da Secretaria Municipal de Obras Públicas (Smop), dentro das ações do programa Curitiba Contra Cheias.

Descartados incorretamente, os materiais estavam reduzindo a capacidade de vazão do rio, obstruindo a galeria de água fluvial da Rua Aristides Borsato, esquina com a Edivino Antônio Deboni. O recolhimento colabora para que alagamentos não aconteçam neste período das chuvas volumosas de verão.

O Rio Vila Formosa deságua no Rio Barigui e também recebe as águas do Rio Vila Leão e do Córrego Novo Mundo. Mantê-lo limpo e desobstruído é necessário para prevenir alagamentos nas ruas e casas no entorno.

Ações do trimestre

Além das ações manuais, a Smop mantém continuamente nos bairros equipes para o desassoreamento mecânico, com escavadeiras hidráulicas para limpeza dos fundos de rios, canais e valas. Nos três últimos meses, foram cerca de 30 ações realizadas e que resultaram na limpeza e desassoreamento de 61.740 metros de rios, córregos, canais e vala de drenagem, em diferentes pontos da cidade.

“Embora contínuo, estamos com uma força-tarefa, com ações preventivas para tornar a cidade resiliente às mudanças climáticas, causadoras de eventos extremos como as chuvas de grande intensidade, cada vez mais comuns nesses meses mais quentes”, explica o secretário municipal de Obra Públicas, Rodrigo Araújo Rodrigues.

Zelo

O trabalho de limpeza dos rios demonstra o zelo da Prefeitura pelos bairros de Curitiba. Além das equipes coordenadas pela Smop, manter os rios e cursos de água limpos, evitar a proliferação de vetores e mitigar o impacto de enchentes por causa do acúmulo de lixo e consequente interrupção do fluxo das águas têm ações executadas pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

Em média, as duas áreas retiram em média, por mês, 138 toneladas de resíduos nos rios e afluentes da capital. A maioria dos serviços atende, principalmente, indicações da comunidade com origem na Central 156.

Pelos bairros

É comum que um mesmo curso de água receba mais de uma intervenção, em pontos distintos e em diferentes momentos. São exemplos de locais que receberam intervenções desta natureza dois pontos do Rio Barigui: o primeiro na altura da Avenida Victor Ferreira do Amaral, no encontro dos rios Bacacheri e Atuba, na divisa com o município metropolitano de Pinhais, e o segundo entre as ruas Bronislau Sitorski e Algacyr Munhoz Mader, na CIC.

Os córregos Jardim Cruzeiro do Sul, no Santa Cândida; e Henry Ford, no Hauer; e a bacia de acumulação na Rua Ilhabela, entre a José Vicente Gonçalves e Haroldo Maravalhas, na CIC, também receberam manutenção no último trimestre.

Descarte irregular de resíduos

Outra importante ação do município para evitar que os rios percam a capacidade de vazão por causa do excesso de lixo descartado irregularmente são as campanhas de esclarecimento sobre a importância do descarte correto de resíduos.

A população pode colaborar ao não descartar lixo em áreas públicas. A Prefeitura disponibiliza dez Ecopontos, que recebem material inservível, tais como podas de árvores, eletroeletrônicos, restos de materiais de construção e outros, em várias regiões da cidade. Descarte irregular de lixo em áreas públicas pode ser denunciado à Central 156.

Relacionados

EDIÇÃO IMPRESSA Nº 120 | JUNHO/2024

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS