O desafio para a empresa que cresce não é apenas continuar a crescer, mas avançar sem perder a identidade, saber que os tropeços fazem parte do caminho e que os problemas muitas vezes se resolvem com o compartilhamento de experiências.

A receita é de Robson Privado, vice-presidente de marketing e vendas da startup curitibana Madeira Madeira, que participou nesta terça-feira (28/5) da 12ª edição do Paiol Digital, promovido pela Agência Curitiba, com apoio da Fundação Cultural.

Para um teatro lotado mesmo com a noite chuvosa e fria, Robson Privado compartilhou um pouco da história da empresa, que em uma década se tornou uma startup de sucesso, com crescimento de 80% ao ano, 2,5 milhões de clientes atendidos, que emprega 530 pessoas e vende mais de 600 mil produtos para casa.

“Se temos um problema que não conseguimos resolver internamente, vamos pedir apoio e compartilhar a questão com empresas que já passaram por isso. Empreender é um aprendizado constante e muitas vezes é errando que se acerta depois. Vamos buscar ajuda”, disse ele.

Longo prazo

Privado também destaca que é necessário ter visão de longo prazo, saber que o “jogo” nunca termina e que é preciso ser mais rápido que seu concorrente. “É preciso saber que inovar não é uma linha reta, é um caminho tortuoso e que é preciso caminhar na incerteza”, concordou Paulo Hansted. Ele também palestrou no evento e contou a experiência da startup curitibana MCities, especializada em comunicação urbana e responsável pela implantação da rede inteligente de ruas na capital paranaense. “O futuro das cidades é serem cada vez mais interativas, com o uso da tecnologia para emponderar a população e fazer com que seus habitantes ocupem os espaços urbanos, com impactos sociais, econômicos, comunitários e de status positivos”, afirmou. “Isso promove maior engajamento da população e estimula as pessoas a gostarem da cidade onde vivem”, acrescentou.

Para a empreendedora Bruna Calegari, co-fundadora da Hot Content Mídia e Conteúdo e responsável pelo  festival Subtropikal, o engajamento promove a criatividade, fundamental para qualquer empreendedor inovar. “A gente tem que buscar a inovação com ideias próprias. Não precisamos importar modelos que os chineses vão fazer mais cedo e mais barato do que nós ou que os americanos farão com mais incentivos. Temos que fazer algo global mas para nossa cidade”, disse.

E as soluções muitas vezes surgem de ideias simples, lembra Guilherme Belotto, da startup Troco Simples. A empresa, criada em 2006, criou um aplicativo que ajuda a eliminar o problema da falta de moedas para troco no mercado. A solução foi transformar os centavos em moeda digital, que pode ser usada para pagar outros serviços. “É uma solução simples, que facilita a vida e que atende as mudanças pelas quais passamos, com a criação de novos hábitos financeiros”, disse.  

Promovido pelo Vale do Pinhão, o Paiol Digital é um fórum que busca, mensalmente, engajar as pessoas ao mundo da inovação, propiciando o networking e o fomento de ações voltadas ao desenvolvimento de Curitiba. A abertura do evento, gratuito, foi feita por Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba, órgão ligado à Prefeitura e responsável pela organização do fórum no Teatro do Paiol.