20 C
Curitiba
domingo, 25 fevereiro 2024

Paulina Chiziane, primeira moçambicana a publicar um romance, abre o Festival da Palavra de Curitiba

Com força e emoção, a escritora moçambicana Paulina Chiziane abriu na noite desta quarta-feira (27/9) o aguardado I Festival da Palavra de Curitiba. O Memorial de Curitiba, palco principal do evento, ficou lotado de fãs da autora que estavam ansiosos para conhecer de perto a primeira mulher negra africana a receber o prestigioso Prêmio Camões, o mais importante da literatura de língua portuguesa.

A convidada de honra nasceu em Manjacaze, em 1955. Paulina Chiziane é uma das vozes literárias mais influentes de Moçambique. Em 1990, ela lançou Balada de Amor ao Vento, tornando-se a primeira mulher moçambicana a publicar um livro. Suas obras são repletas de protagonistas femininas fortes e carregam muitas referências à história de Moçambique.

“A palavra é o lugar onde tudo começa, ela tem alma. A literatura é esse espaço de lutas que vou usando para reconstruir o mundo”, disse Paulina, assim que subiu ao palco para o primeiro bate-papo do festival, que contou com mediação de Sandra Stroparo.

Pouco antes, a Fundação Cultural de Curitiba preparou uma surpresa para a abertura do festival. Um grupo de artistas declamou trechos de poesias e textos dos autores homenageados do festival: a uruguaia Ida Vitale e o curitibano Dalton Trevisan.

A presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Ana Cristina de Castro, enfatizou a importância do Festival da Palavra para as questões afirmativas da sociedade.

“Este festival comprova a força da voz feminina na literatura e amplifica temas como a questão de gênero e da igualdade racial. No entanto, o universo da palavra vai além. Poesia, história, literatura infanto-juvenil, incentivo à leitura, ativismo e especialmente muita criatividade estarão aqui por meio da palavra de grandes nomes da literatura estrangeira, brasileira e paranaense”, destacou Ana Castro.

Arma da libertação

No encontro com o público curitibano, Paulina falou brevemente sobre as diferenças culturais entre o Norte e o Sul de Moçambique, sobre a força da mulher africana, dos preconceitos, e destacou a descolonização, afirmando que o maior crime histórico cometido pelos colonizadores europeus foi escrever sobre o povo africano.

“Com a palavra, o ocidente suicidou os povos africanos”, declarou a autora. Por outro lado, ela enfatizou a força que as palavras têm para reconstruir o mundo. “A palavra é a arma da libertação”, ressaltou.

Para a médica curitibana Nádia Almeida, a escritora moçambicana representa a história de muitas mulheres afrodescendentes. “Eu me reconheço em cada palavra que ela falou aqui. Estou muito emocionada”, disse.

A bióloga e professora da Universidade Federal do Paraná Claudemira Lopes compartilhou seu entusiasmo: “Senti um orgulho enorme de morar em Curitiba. A programação desse festival é tão incrível que é difícil até escolher. Quem teve a ideia desse festival está de parabéns, está realmente impecável.”

Até domingo (1º/10), o I Festival da Palavra de Curitiba receberá cerca de 150 escritores e escritoras nacionais e internacionais para conversas, lançamentos de livros, oficinas. O evento tem ainda sessões de filmes, saraus, exposição e promete continuar emocionando e inspirando o público com mais encontros literários, debates e apresentações ao longo da programação.

Participaram da abertura a secretária de Estado da Cultura do Paraná, Luciana Casagrande Pereira; a vice-reitora da Universidade Federal do Paraná, Graciela Ines Bolzón de Muniz; a diretora de Gestão da Comunicação da Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Maurini de Souza; o diretor-executivo do Instituto Curitiba de Arte e Cultura, Marino Galvão Júnior; e a assessora de Promoção e Igualdade Racial da Prefeitura de Curitiba, Marli Teixeira Leite.

Relacionados

EDIÇÃO IMPRESSA Nº 114 | JANEIRO/2024

spot_img

ÚLTIMAS NOTÍCIAS