Num jogo com interferência direta da arbitragem, o Paraná Clube sofreu a sua primeira derrota no Campeonato Brasileiro da Série B. O Vitória, com um gol de pênalti – absolutamente duvidoso – venceu por 1×0 e impediu que o Tricolor reassumisse a liderança da competição. “É um absurdo o que vimos aqui. Quem entende um pouco de futebol sabe o que aconteceu dentro de campo”, disparou o presidente Leonardo de Oliveira.

A revolta paranista se deve à falta de critério do árbitro Pablo Ramon Gonçalves Pinheiro-RN. No primeiro tempo, quando o Paraná dominava o jogo e “empurrava” o Vitória para o seu campo, o juiz não marcou um toque claro de Fernando Neto na área. O pênalti não marcado gerou muita reclamação. Descontentamento que aumentou quando num lance parecido Pablo Pinheiro marcou o toque de mão de Gabriel Pires.

O jogo seguiu com o Paraná tendo maior volume de jogo, mas pouco finalizando contra a meta de Ronaldo. Um cenário que fez o Vitória voltar para o segundo tempo com duas mudanças. Mesmo assim, o Tricolor seguiu melhor. Logo aos 7 minutos, Ronaldo fez uma defesa sensacional num chute de Renan Bressan. Andrey também levou perigo à meta baiana.

Num raro lance de perigo, em cobrança de escanteio, Wallace Reis cabeceou por cima do travessão de Alisson. Só que aos 22 minutos veio o lance capital. Num chute despretensioso, o árbitro “viu” desvio no braço de Thales e marcou pênalti para o Vitória. Na cobrança, Léo Ceará marcou: 1×0. Allan Aal, então, procurou renovar as energias do ataque tricolor. O Paraná pressionou até o fim, mas esbarrou numa jornada inspirada do goleiro Ronaldo. Na terça, o Tricolor recebe a Ponte Preta, na Vila Capanema.