Já quando o jogo começou, ficou claro que o Athletico teria que propor o jogo e controlar a posse de bola. O Goiás dava espaço para o time rubro-negro avançar, buscando sempre os contra-ataques e as bolas aéreas.

A primeira chance foi do Furacão, em um chute de Canobbio, que passou perto do gol. Mas logo a estratégia do Goiás funcionou. Aos 5′, Diego cruzou da direita, Nicolas desviou e Raul apareceu na segunda trave para colocar o time da casa na frente.

O Athletico foi em busca do empate, mas encontrava muita dificuldade para superar a marcação. Cuello teve uma boa oportunidade e um cruzamento rasteiro de Canobbio, mas não conseguiu finalizar.

E o Goiás novamente conseguiu aproveitar uma bola levantada na área. Aos 39′, em escanteio pela direita, Nicolas cabeceou na pequena área, Bento consegui desviar, mas a bola entrou mesmo assim.

O Rubro-Negro ainda chegou mais uma vez na primeira etapa, em chute de Abner, mas o goleiro Tadeu defendeu.

O Furacão precisava mudar e Felipão fez duas substituições no intervalo: Hugo Moura e Rômulo, nos lugares de Matheus Fernandes e Cuello. E ainda nos primeiros minutos, acionou David Terans e Marcelo Cirino, para as saídas de Canobbio e Vitor Roque.

As mudanças deram mais intensidade ao ataque rubro-negro. Aos 14′, Marcelo dominou na área, rolou para trás e Abner chegou batendo. Yan Souto colocou o braço na bola e o árbitro anotou o pênalti. Terans bateu bem e descontou.

O Athletico seguiu buscando o gol que daria o empate a todo o momento. Hugo Moura, Terans, Vitor Bueno, de novo Terans… As chances foram aparecendo, mas sem sucesso nas finalizações.

Felipão deixou o time ainda mais ofensivo, com a entrada de Matheus Babi no lugar de Erick. Hugo Moura e o próprio Babi tiveram novas oportunidades. A melhor delas aos 46′, quando Terans bateu de primeira e Tadeu fez grande defesa.